A era Evo Morales conseguiu piorar um país inviável - Se Liga na Informação





A era Evo Morales conseguiu piorar um país inviável

Compartilhar isso

A história da Bolívia é uma dilacerante sequência de golpes de Estado e guerras perdidas


"A Bolívia não é um país; a Bolívia é um problema", resumiu há muito tempo um jornalista norte-americano. Não há como discordar, informa a história política marcada por tragédias que se repetem não como farsa, mas como uma reedição mais dramática da tragédia anterior — e sempre recente. Em 1825, quando se tornou independente da Espanha, a Bolívia anunciou o nascimento de um regime democrático que, quase 200 anos depois, continua na primeira infância. E muito longe da adolescência, confirma a queda de Evo Morales.
Entre a Independência e o fim da última ditadura militar ortodoxa em 1988, jamais ocorreu uma eleição de verdade. De 1850 a 1950, registraram-se 100 golpes de Estado. Um por ano. Em 1939, o presidente German Busch matou-se com um tiro na cabeça. Em 1944, uma multidão incitada por militares rebeldes linchou o presidente Gualberto Villarroel no interior do Palácio Quemado e atirou pela janela o cadáver que permaneceu, horas a fio, pendurado numa forca improvisada na praça defronte à sede do governo.
Entre um golpe e outro, a Bolívia se meteu em aventuras militares desastrosas. Na Guerra do Pacífico, perdeu para o Chile uma vastidão territorial que incluiu a saída para o mar. Disputas fronteiriças com o Brasil amputaram o Acre e parte de Mato Grosso. Os estragos geopolíticos se ampliaram com a derrota para o Paraguai na Guerra do Chaco. Os três retumbantes fiascos reduziram à metade o tamanho que tinha a Bolívia no dia da independência.
As turbulências não cessaram com a chegada ao Palácio Quemado, em 2004, do primeiro presidente indígena. O populista bolivariano não demorou a transformar-se em mais um caudilho disposto a tudo para eternizar-se no poder. Com a cumplicidade do então presidente Lula, confiscou bens da Petrobras para consolidar a imagem de nacionalista sem medos. O apoio incondicional à Venezuela chavista foi retribuído com petróleo barato e o financiamento de programas sociais que oficializam a compra de votos. O aparelhamento dos três Poderes fechou o cerco aos oposicionistas. E Evo se convenceu de que só a morte o afastaria do Palácio Quemado.
Agora exilado no México, terá tempo de sobra para circular pelo mundo fantasiado de vítima de um golpe. Ele foi despejado em consequência da fraude eleitoral que promoveu e fez transbordar o descontentamento do povo. Como os esquerdistas sul-americanos enxergam tramas sórdidas por trás de todo naufrágio pilotado por parceiros de equívocos ideológicos, Lula repete que um golpe derrubou Dilma Rousseff — e ambos atribuem a um golpe a renúncia de Evo. Se o mesmo drama fosse encenado no Chile, o corrupto condenado e sua sucessora veriam na aposentadoria de Sebastian Piñera uma vitória do povo.
Os militantes do PT e seus congêneres cucarachas não têm compromisso com a verdade e a coerência. Ao sair da cadeia, aliás, Lula recomendou a seus devotos que seguissem o exemplo dos manifestantes chilenos que exigem nas ruas a mudança de governo. Deu azar: o conselho endereçado aos brasileiros foi ouvido pelos bolivianos. E acabou sobrando para o amigo alojado há 15 anos no Palácio Quemado.
A Bolívia segue muito distante do mundo civilizado. Mas a ausência física de Evo Morales já tornou o ar mais respirável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário