37% acham que a vida melhorou no governo Bolsonaro; no Nordeste esse índice é de 50% diz pesquisa - Se Liga na Informação





37% acham que a vida melhorou no governo Bolsonaro; no Nordeste esse índice é de 50% diz pesquisa

Compartilhar isso

 Para 31%, situação se manteve igual

Mais ricos: maior percepção negativa

Leia o levantamento do PoderData



Pesquisa PoderData mostra que 37% dos brasileiros acham que suas vidas melhoraram depois da posse de Jair Bolsonaro como presidente da República, em 1º de janeiro de 2019. Para outros 28%, a situação piorou no período, enquanto 31% dizem que nada mudou.

O levantamento foi realizado pelo PoderDatadivisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 28 a 30 de setembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 423 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Bolsonaro foi eleito em outubro de 2018, com 57 milhões de votos, depois de disputar o 2º turno das eleições com o candidato petista à Presidência, Fernando Haddad.

Assumiu o Planalto em 1º de janeiro, com grande apoio do mercado financeiro, religiosos e parcela conservadora da sociedade. Sua popularidade e a de seu governo começaram a subir em julho, alavancadas pelo apoio dos mais pobres (parcela que concentra os beneficiários do auxílio emergencial).

PoderData destacou, também, os recortes para as respostas à pergunta sobre a percepção dos brasileiros a respeito da vida no governo Bolsonaro. Foram analisados os perfis por sexo, idade, nível de instrução, região e renda.

Os que mais acham que a vida melhorou:

  • mulheres (41%);
  • os que têm de 16 a 24 anos (51%);
  • os que estudaram até o ensino fundamental (44%);
  • os moradores do Norte (58%);
  • e os desempregados ou sem renda fixa (58%).

Quem mais acha que a vida piorou:

  • os que ganham de 2 a 5 salários mínimos (57%);
  • os moradores do Sul (48%);
  • os com ensino superior (50%)
  • os que têm 60 anos ou mais (50%).

Já os que ganham até 2 salários mínimos (45%) e os moradores do Centro-Oeste (47%) são os estratos com as maiores proporções de pessoas que responderam que nada “mudou depois que Bolsonaro assumiu”.

PERCEPÇÃO SOBRE A VIDA X AVALIAÇÃO DE BOLSONARO

Os que avaliaram positivamente o trabalho do presidente têm percepção muito mais positiva sobre a vida durante seu mandato do que a média geral. Nesse grupo, 70% dizem que a vida melhorou depois que Bolsonaro assumiu o poder.

Já 77% dos que rejeitam o chefe do Executivo acham que a vida piorou no período.

PODERDATA

Leia mais sobre a pesquisa PoderData:

Nenhum comentário:

Postar um comentário