SAÚDE - Se Liga na Informação



SAÚDE


Diabetes: 14 alimentos que você deve ingerir e 11 que deve excluir

As pessoas que sofrem de diabetes, independentemente do tipo, devem ter sempre um cuidado especial com a alimentação


Diabetes: Os 25 alimentos que deve comer e que deve evitar - Veja o que deve comer e o que deve evitar © ISTOCK
1 / 26

Falar em diabetes nem sempre implica falar em estilo de vida. Embora a diabetes tipo 2 seja a mais comum em todo o mundo (a que está diretamente relacionada a má alimentação e sedentarismo), existem outros tipos de diabetes que nada têm a ver com as escolhas diárias.
É o caso da diabetes tipo 1 (ou diabetes insulino-dependente), que é a mais rara e tem uma maior incidência entre crianças e jovens. Esta doença auto-imune ainda não tem cura.
Mas falar em diabetes implica falar também na diabetes gestacional, que ocorre durante a gravidez e que pode afetar até as mulheres que não tinham qualquer indício da doença antes de ficarem grávidas. Este tipo de diabetes tende a desaparecer, mas, quando não tratado devidamente, pode impulsionar o aparecimento de diabetes tipo 2.
Prestar atenção aos sinais de pré-diabetes é a melhor forma de evitar uma progressão da doença. A prevenção da Diabetes (ou do diagnóstico final de diabetes) passa pelo controle do peso, que deve se manter num nível saudável e sem que apresente grandes acúmulos de gordura, especialmente na região abdominal.
Deste modo, como destaca o site Eat This, Not That!, a alimentação assume um papel fundamental não só na prevenção como no tratamento da doença, evitando alterações drásticas dos níveis de insulina e possíveis doenças associadas à diabetes, como a cegueira e a obesidade.
Evitar alimentos ricos em açúcar, sal e gorduras ou que tenham sido amplamente processados é um dos primeiros passos. Depois, é preciso que escolher os alimentos que mais ajudam a controlar o apetite e os níveis de açúcar do sangue, fornecendo ainda um vasto leque de nutrientes que reforçam o sistema imunológico.
Clique nas imagens acima e conheça os alimentos permitidos e aqueles que devem ser evitados pelas pessoas com diabetes. Contudo, é importante salientar que o impacto dos alimentos varia de organismo para organismo e que, por isso, é sempre importante procurar acompanhamento médico e nutricional, pois só assim se saberá quais são as opções mais indicadas para cada caso. 

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br

Olhe para trás! Seu cocô diz muito sobre sua saúde


  • Cocô saudável é aquele comprido, em formato cilíndrico, macio e marrom
    Cocô saudável é aquele comprido, em formato cilíndrico, macio e marrom
Você mal levanta do vaso sanitário e já abaixa a tampa para puxar a descarga? Com as mãos ainda molhadas aperta o purificador de ar para disfarçar o cheiro? Todo esse preconceito contra as fezes é cultural e pode atrapalhar sua saúde.
Cor, cheiro, textura, cada aspecto do seu cocô pode indicar doenças que vão de infecções a tumores. Para os especialistas, o primeiro passo é deixar o preconceito de lado.
A observação das fezes traz diversas informações interessantes sobre a saúde do paciente. Se as pessoas olhassem poderiam fornecer dados aos médicos que ajudariam em um diagnóstico mais rápido."
Luciana Lobato, gastroenterologista da Unifesp

Preconceito fora do banheiro

"O que acontece é que existe um grande medo e muita vergonha de se falar sobre o assunto, mas isso deveria ser encarado de forma natural", explica o endoscopista Tomazo Franzini, diretor da Sobed (Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva).
A característica mais marcante é o formato. Em bolinhas, pode indicar falta de fibras e líquidos. Com rachaduras, pode ter ficado muito tempo no intestino. O ideal é que as fezes sejam compridas, em formato cilíndrico e macias.
Não existe uma regra sobre quantas vezes uma pessoa deve evacuar, mas os especialistas consideram que pelo menos três vezes por semana é necessário.
Quando as fezes apresentam rachaduras e endurecimento, significa que estão passando muito tempo no intestino ou que a dieta precisa de mais líquidos e fibras.
Quando o intestino tem alguma obstrução, o cocô se molda de forma mais fina indicando estreitamento. Nesse caso os médicos recomendam uma colonoscopia para checar se há tumores.
"Hoje em dia esse exame é realizado sob sedação e é indolor. Por meio dele é possível verificar pequenos tumores antes que eles avancem", diz Franzini.
Getty Images/iStockphoto

A cor é importante

A coloração também indica reações do organismo: o ideal é que elas tenham a coloração marrom. Fezes pretas podem indicar sangramento em áreas como esôfago, estômago e duodeno --pois o sangue já aparece ali coagulado.
Já as verdes, comuns em caso de diarreia, também podem ser causadas por corantes, consumo de antibióticos e injeção de ferro.
vermelho nas fezes indica a presença de sangramento e podem sinalizar a presença de doenças como hemorroidas, tumores e diverticulite.
Infecções intestinais, má digestão e alimentação rica em gordura podem amarelar as fezes. Já doenças ligadas ao fígado tendem a dar uma coloração amarelada ou embranquecida.

Getty Images/iStockphoto
Cheiro

"Fezes muito malcheirosas podem denotar sangramento, em geral são pretas e moles. Elas indicam problemas na parte de cima do tubo digestivo", explica Lobato.

Pedaços de comida

Problemas de alimentação também podem provocar outros tipos de alterações nas fezes como a presença de pedaços de comida. Segundo especialistas, isso indica que o trânsito intestinal está acelerado e os nutrientes não estão sendo absorvidos corretamente.
Não precisa ficar histérico e olhar sempre, mas sempre que houver um sintoma digestivo, um emagrecimento inexplicável, algo que está associado ao trato digestivo, visualizar as fezes pode ajudar o diagnóstico"

As 5 Informações mais importantes sobre Hipertensão




A hipertensão é uma doença que atinge grande parcela da população mundial e  afeta diretamente a qualidade de vida. Para compreender a hipertensão é necessário entender o que é a pressão arterial - trata-se de um movimento que faz o sangue ser bombeado do coração para irrigar os órgãos do corpo, e essa ação exerce força contra as paredes das artérias. O aumento dessa força é chamado de hipertensão arterial.
A principal indicação é prevenir a hipertensão com hábitos de vida mais saudáveis e menos sedentários. Mas, a boa notícia é que é possível conviver e reduzir o impacto da hipertensão com mudanças simples. 
1) Os principais fatores que contribuem para a hipertensão são: idade elevada, obesidade, falta de exercícios físicos, má alimentação, sal em excesso, consumo de álcool, tabagismo e estresse.
2) Principais sintomas são: dores no peito, dor de cabeça, tonturas, zumbido no ouvido e visão turva. 
3) Impacto da hipertensão: quando a pressão está frequentemente aumentada órgãos importantes como o coração, o cérebro, os rins, os olhos e as próprias artérias sofrem maior desgaste e podem surgir graves doenças.
4) Cerca de 90% dos hipertensos necessitam usar medicamentos continuadamente para o controle da doença.
5) A hipertensão é a doença de maior fator de risco para o desenvolvimento de infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

Câncer é a 2ª maior causa de morte de jovens no Brasil, diz Inca


Tipo mais frequente da doença em brasileiros entre 15 e 29 anos é o câncer de colo de útero




A segunda maior causa de morte de adolescentes e de jovens entre 15 a 29 anos no Brasil é o câncer. A doença só fica atrás de “causas externas”, como é o caso de mortes violentas e acidentes.
Segundo a coluna do Ancelmo Gois, os dados serão divulgados nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) e pelo Ministério da Saúde.
Foram registradas 17,5 mil mortes de jovens e adolescentes brasileiros por causa da doença entre 2009 e 2013.
Ainda de acordo com a reportagem, o tipo mais frequente de câncer neste grupo é o câncer de colo de útero, com 34%.

Febre amarela: país chega a 215 casos confirmados, com 70 mortes


Ministério divulgou novo boletim sobre surto. Minas Gerais concentra a maioria dos casos.


Ministério da Saúde divulgou novo boletim sobre a situação da febre amarela no país. Até esta quarta-feira (8), foram confirmados 215 casos da doença, que, por enquanto, se concentram em Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo.
Ao todo, já foram registrados no país 1.060 casos suspeitos, sendo que 765 permanecem em investigação e 80 foram descartados. Das 166 mortes notificadas, 70 foram confirmadas como sendo causadas pela febre amarela, 93 ainda são investigadas e 3 foram descartadas.
Minas Gerais ainda é o estado mais afetado, com 191 casos e 61 mortes confirmadas. Espírito Santo tem 20 casos e 6 mortes confirmadas. São Paulo vem em seguida, com 4 casos e 3 mortes confirmadas. Tocantins e Bahia não têm casos confirmados, apenas em investigação.
 (Foto: Arte G1)
































(Foto: Arte G1)



























Mortes por câncer aumentaram 31% no Brasil em 15 anos, afirma OMS


O número de mortes no Brasil por conta de câncer aumentou 31% desde 2000 e chegou a 223,4 mil pessoas por ano no final de 2015. As estimativas estão sendo publicadas nesta sexta-feira, 3, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que, em campanha para marcar o Dia Mundial do Câncer neste sábado, 4, apresenta um novo guia que visa estimular a descoberta da doença em um estágio ainda inicial e, assim, reverter essa expansão.
Os dados mantidos pela OMS apontam que, no início do século, 152 mil brasileiros morriam por ano da doença. Ao final de 2015, essa taxa chegou a 223,4 mil. Hoje, o câncer é a segunda causa de mortes no País, superado apenas por doenças cardiovasculares.
Entre os tumores, o maior responsável pelas mortes é o câncer no sistema respiratório, com 28,4 mil casos em 2015. O câncer de cólon foi o segundo maior responsável por mortes, com 19 mil. Em terceiro lugar vem o tumor de mama, com 18 mil mortes em 2015 no Brasil.

Mundo

A entidade constata que a expansão das mortes é um fenômeno global. Há 15 anos, o total não superava a marca de 6,9 milhões de pessoas, passando para 8,1 milhões em 2010 e 8,8 milhões em 2015. De acordo com a OMS, a expansão de 22% no número de mortes por câncer no mundo desde o início do século é uma das maiores já registradas pela medicina moderna.
Atualmente, uma a cada seis mortes no mundo é causada por câncer. Mais de 14 milhões de pessoas desenvolvem a doença a cada ano e a projeção indica que esse número irá atingir 21 milhões em 2030. O custo da doença tem sido cada vez maior e já soma US$ 1,1 trilhão em produtividade perdida e custos com seguros de saúde.
"Trata-se do segundo maior motivo de mortes do mundo, depois de doenças cardiovasculares", disse Etienne Krug, diretor da OMS. "Por muito tempo, dizia-se que era uma doença de país rico. Isso não é mais verdade e o problema é global", afirmou.
Segundo Krug, a expansão no número de mortes está ligada ao fato de a população estar ficando mais velha, uma mudança nos estilos de vida, sedentarismo, dietas pouco saudáveis e poluição.
No mundo, o principal responsável pelas mortes também são os cânceres ligados ao sistema respiratório, incluindo tumores de traqueia, de brônquio e de pulmões. No total, essas doenças fazem 1,6 milhão de vítimas por ano. Na virada do século XXI, eram apenas 1,1 milhão de mortos.
O câncer de fígado é o segundo maior responsável por mortes, com 788 mil casos em 2015, seguido por câncer de cólon, com 774 mil incidências. Já os tumores de estômago matam 753 mil pessoas, contra 571 mil no caso de mama.
De acordo com os novos dados, os tumores são mais fatais em homens, com 5 milhões de casos em 2015, contra 3,8 milhões de mulheres. Os cânceres que afetam os dois gêneros, no entanto, são distintos. Entre os homens, os tumores mais letais são os que atingem o sistema respiratório, enquanto as mulheres são mais afetadas pelo de mama.

Pobres

O que mais preocupa a OMS é a disparidade entre países ricos e pobres, na capacidade de lidar com a doença. A taxa de incidência dos tumores aumentou de forma mais rápida nos países em desenvolvimento, representando 65% dos casos hoje de tumores no mundo.
E é justamente esses países os que têm maiores dificuldades para identificar e diagnosticar os tumores em estágio inicial. São nessas nações que existem as maiores deficiências em serviços de diagnósticos e em tratamento. A OMS apela, portanto, para que esses governos priorizem serviços de tratamento de baixo custo e impacto elevado.
A entidade também recomenda o aumento dos gastos públicos, retirando do cidadão o peso de ter que pagar por parte dos tratamentos. Segundo a OMS, a falta de um serviço público eficiente leva muitos a não realizarem testes, diagnósticos e descobrir o câncer somente quando em estado avançado.
Atualmente, menos de 30% dos países mais pobres têm um sistema de tratamento e diagnóstico acessível. A situação para os serviços de patologia é ainda mais complicada. Em 2015, apenas 35% dos países pobres ofereciam o serviço no setor público, comparado a 95% dos países ricos.
A consequência tem sido a expansão da doença, principalmente nos países em desenvolvimento. Mais casos de doença também foram registrados nas Américas, com um salto de quase 30% em apenas 15 anos. Em 2000, eram pouco mais de 1 milhão de mortes por conta de tumores. Em 2015, o número de vítimas foi de 1,3 milhão. Seguindo o restante dos continentes, a região latino-americana também viu os tumores no sistema respiratório prevalecerem, com 257 mil mortes.
No mundo, a Ásia lidera em número de mortes, com 4,3 milhões em 2015. Já na Europa, o total foi de 413 mil, contra 530 mil na África.

Diagnóstico

Para a OMS, a única forma imediata de frear essa expansão é incrementar os serviços de diagnóstico. Outro fator a ser trabalhado é a detecção da doença ainda em estágio inicial. Segundo a entidade, muitas pessoas apenas consultam um médico somente quando o tumor já está em um estágio avançado.
"Não precisa ser uma sentença de morte, como era no passado. Identificar um tumor em um estágio avançado e a incapacidade de dar tratamento, condena muitas pessoas a uma morte prematura. Mas milhares de pessoas podem ser salvas se o tumor for identificado logo", afirmou Etienne Krug, diretor da OMS.
Para ele, com um foco no diagnóstico, serviços públicos poderão reverter os atuais números. "Isso vai resultar em mais pessoas sobrevivendo da doença", disse. "Também fará sentido em termos econômicos", completou.
"Detectar o câncer em um estágio inicial reduz o impacto financeiro: não apenas o custo do tratamento é menor, mas as pessoas podem continuar a trabalhar e apoiar suas famílias se eles tiverem tratamento", apontou a OMS. O valor estimado do custo do câncer no mundo hoje é de US$ 1,1 trilhão, entre gastos com saúde e perda de produtividade.
Estudos apontaram que o custo de um tratamento contra um tumor em seus estágios iniciais pode ser quatro vezes inferior aos gastos que o paciente teria caso a doença esteja em um estágio mais avançado.
Para a OMS, estratégias para aumentar o controle sobre o câncer podem ser introduzidas em serviços públicos de saúde a um baixo custo.
Elas incluem campanhas de conscientização pública sobre os sintomas do câncer e incentivar pessoas a buscar um médico, caso notem algum indício da doença. Outra medida é investir em fortalecer os serviços públicos e treinar profissionais para incrementar sua capacidade de diagnosticar um tumor.
Outra medida para a qual a OMS apela é que governos deem garantias de que pessoas com câncer possam ter acesso a um tratamento, sem que isso os leve a um colapso financeiro.
"A chance de morrer num país em desenvolvimento se você tiver câncer é muito maior do que em um país rico", disse Andre Ilbawi, responsável por câncer na OMS. Segundo ele, enquanto a taxa de mortalidade é de 30% nos países ricos, nos países em desenvolvimento ela é de 70%.
Estadão Conteúdo

Febre amarela, dengue, zika e chikungunya: entenda as doenças do Aedes que afetam o Brasil

Em quais regiões estão os vírus? Quais mosquitos causam os surtos nas cidades? Quais doenças têm vacina pelo SUS? G1 responde as principais perguntas sobre o assunto.


Em quais regiões estão os vírus? Quais mosquitos causam os surtos nas cidades? Quais doenças têm vacina pelo SUS? G1 responde as principais perguntas sobre o assunto.


mosquito Aedes aegypti começou a assustar os brasileiros com a transmissão da dengue. Depois, o país acompanhou o surgimento de uma nova doença desconhecida: a zika.

Esse novo vírus passou a ser o principal medo das grávidas e alvo de pesquisas por todo o mundo.
Mal ele chegou e surgiu a chikungunya, que superou os casos do vírus da zika em 2016 e ainda precisa ser estudado para a ciência entender suas consequências.
E, agora, os mosquitos Haemagogus e Sabethes transmitem a febre amarela em Minas Gerais, um novo surto que ocorre após 10 anos - o último aumento do número de casos ocorreu em 2007.
G1 ouviu especialistas - infectologistas, biólogos, pediatras - para tentar entender as diferenças de todas essas doenças e onde elas estão agindo com mais força pelo país.
Pacientes contam como é ter febre amarela, zika, chikungunya e dengue

1 - Por que o Brasil está sendo afetado por essas doenças?

Há um ambiente favorável para a reprodução dos mosquitos transmissores, tanto o Aedes aegypti, quanto os mosquitos selvagens da febre amarela, o Haemagogus ou Sabethes. “Não conseguimos controlar a população de mosquitos. É preciso descobrir uma maneira mais objetiva de combatê-los”, explica Juvêncio José Duailibi Furtado, coordenador científico da Sociedade Paulista de Infectologia.
Os médicos concordam que são vários fatores que propiciam o ambiente favorável. Para Gúbio Soares, pesquisador da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o processo de "favelização” das cidades contribui para o cenário. “As pessoas não têm moradia digna, não têm rede de esgoto, não têm água encanada, e armazenam água em tonéis e baldes”, explicou.
Além disso, o clima quente e úmido das cidades brasileiras durante o verão é o preferido entre os mosquitos transmissores. E é por isso que a quantidade de casos das doenças diminui durante o inverno.

2 - Quais são as regiões mais afetadas?

Os dados do mapa se referem aos dados compilados pelo Ministério da Saúde, mas o número de casos no país é ainda maior. As secretarias de saúde dos estados de São Paulo e Minas Gerais já divulgaram dados mais atualizados sobre a doença: são 23 casos em São Paulo - 6 óbitos confirmados e outros 17 casos em investigação - e 712 casos suspeitos em Minas Gerais.

3 - Como é a transmissão das doenças?

Entenda o ciclo de transmissão da zika, chikungunya e dengue
A zika, a chikungunya e a dengue são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No caso da zika, a transmissão também ocorre de mãe para filho durante a gravidez e por via sexual. A dengue e a febre amarela são passadas apenas por meio dos mosquitos. No caso da chikungunya, possíveis outras formas de transmissão ainda são investigadas.
Entenda o ciclo de transmissão da febre amarela silvestre
A febre amarela também é transmitida pelo mosquito Aedes nas cidades, mas desde 1942 não há um caso fora das zonas silvestres e de mata do Brasil. Nessas regiões, a transmissão ocorre por meio dos mosquitos dos gêneros Haemagogus ou Sabethes. A questão agora é se o vírus vai alcançar centros urbanos ou se permanecerá restrito ao campo.

4 - Quais são os sintomas?


5 - Como se proteger?

Para evitar a proliferação dos mosquitos, é importante não deixar água parada. Para evitar as picadas, é possível colocar redes nas janelas, vestir roupas com mangas compridas nas áreas de risco e usar repelente. Isso vale para todas as doenças.

6 - Quais doenças têm vacina?

O Brasil oferece a vacina para a febre amarela pelo Sistema Único de Saúde (veja abaixo quem deve se vacinar). A vacina de zika está sendo pesquisada por laboratórios de diferentes países, mas ainda está em fase de testes. A dengue já tem uma vacina aprovada, mas vendida apenas na rede privada - o estado do Paraná foi o único a disponibilizar gratuitamente para a população.

Vacina contra febre amarela disponível no SUS (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

7 - Qual doença deve ter mais casos em 2017?

A previsão é difícil de ser feita. Mas, de acordo com os especialistas e com o Ministério da Saúde, os casos de chikungunya devem crescer e os de zika devem se estabilizar.

8 - Qual o papel do macaco na transmissão da febre amarela?

A morte de macacos é o primeiro sinal de alerta de que a febre amarela voltou a circular com maior intensidade em uma região. "Em Minas Gerais, temos o vírus cirulando em nossas matas, e em algum momento há uma replicação maior. O aparecimento dos macacos infectados é um sinal disso", explica Jandira Campos Lemos, presidente da regional de Minas Gerais da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).
Segundo o biólogo Horácio Teles, do Conselho Regional de Biologia, o vírus circula naturalmente entre macacos o tempo todo. Mas, em determinados momentos, predomina uma população de macacos que já é resistente ao vírus. Em outros momentos, novas gerações de macacos que ainda não tiveram contato com o vírus tornam-se mais vulneráveis e o vírus volta a fazer vítimas nas matas.
Casos de macacos encontrados mortos são investigados no Espírito Santo, no interior de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal.
Ossadas de vários macacos foram encontradas no Norte de Minas (Foto: Pablo Caires/Inter TV)

9 - A febre amarela vai chegar às grandes cidades?

Este é o maior temor em relação à febre amarela. Para o biólogo Horácio Teles, do Conselho Regional de Biologia, o risco é muito grande. “Com o desmatamento, as pessoas estão indo para cada vez mais perto da mata. Se uma pessoa for infectada na região silvestre, for para a cidade e for picada pelo Aedes aegypti, começa o ciclo de transmissão urbana”.
No entanto, a existência de uma vacina deve impedir que a febre amarela se torne uma epidemia tão grave quanto a de dengue. “Quando os primeiros casos ocorrem em uma cidade, é possível fazer uma vacinação de bloqueio e conter a doença”, diz o infectologista Juvêncio José Duailibi Furtado, coordenador científico da Sociedade Paulista de Infectologia.
Entenda a diferença entre febre amarela selvagem e urbana, e saiba quem precisa se vacinar

10 - Quem deve se vacinar contra a febre amarela?

Até agora, o Ministério da Saúde recomenda que apenas pessoas que morem nas áreas de risco (próximas à mata e zona rural) ou que viagem para estas regiões procurem os centros de saúde para vacinação.

Em situações de emergência, a vacina pode ser administrada já a partir dos 6 meses de idade. O indicado, no entanto, é que bebês de 9 meses sejam vacinados pela primeira vez. Depois, recebam um segundo reforço aos 4 anos de idade. A vacina tem 95% de eficiência e demora cerca de 10 dias para garantir a imunização já após a primeira aplicação.
Pessoas com mais de 5 anos de idade devem se vacinar e receber a segunda dose após 10 anos. Idosos precisam ir ao médico para avaliar os riscos de receber a imunização.
Pela possibilidade de causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo.

Fonte: G1

Brasil tem 46 mortes confirmadas por febre amarela, diz ministério

Minas Gerais ainda é estado mais afetado e informou 100 mortes suspeitas ao órgão; destas, 58 ainda estão sob investigação.


O mosquito Haemagogus leucocelaneaus, exclusivo de matas e ambientes silvestres, é vetor de febre amarela silvestre (Foto: Josué Damacena/IOC/Fiocruz )

Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (30) que o Brasil tem 568 casos suspeitos de febre amarela. Deste total, 107 foram confirmados, 430 ainda estão sob investigação e 31 foram descartados. Minas Gerais ainda é o estado com o maior número de registros: 509 pessoas com os sintomas.
Dentre as notificações de suspeitas de febre amarela o ministério recebeu 113 avisos de óbitos, dos quais 46 foram confirmados, 3 foram descartados e 64 estão em investigação. A grande maioria das mortes confirmadas ocorreram em Minas: 42.
O país tem 80 municípios com notificações da doença, sendo que 55 estão em território mineiro. Espírito Santo é o segundo estado mais afetado, com 37 casos suspeitos e 5 confirmações. A primeira morte foi confirmada nesta segunda e morava na cidade de Ibatiba.
A Bahia tem sete registros, sendo que seis deles ainda estão sob análise para uma confirmação - um dos casos já foi descartado. O estado não apresentou nenhuma morte pela doença.
Em São Paulo, de acordo com o Ministério da Saúde, são três mortes confirmadas - a Secretaria de Estado da Saúde já informou três novas vítimas da doença, além das informadas pelo órgão federal. Já no Distrito Federal e em Goiás todos os casos foram descartados.

Caso em Mato Grosso do Sul

Um caso informado pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina foi inicialmente notificado como uma pessoa que teria sido infectada em Mato Grosso do Sul durante uma viagem e voltado ao estado da região Sul. Nesta segunda, entretanto, o Ministério da Saúde disse que está reavaliando o local de provável infecção pelo vírus.

Vacinação

Moradores ou pessoas que pretendem visitar regiões silvestres, rurais ou de mata devem se vacinar no Sistema Único de Saúde (SUS). A transmissão da doença, que ocorre pela picada dos mosquitos Haemagogus e Sabathes nessas regiões, é possível em grande parte do território brasileiro. O Aedes aegypti também é transmissor da febre amarela, mas apenas em área urbana.
Vale lembrar que, em situações de emergência, a vacina pode ser administrada já a partir dos 6 meses. O indicado, no entanto, é que bebês de 9 meses sejam vacinados pela primeira vez. Depois, recebam um segundo reforço aos 4 anos de idade. A vacina tem 95% de eficiência e demora cerca de 10 dias para garantir a imunização já após a primeira aplicação.
Pessoas com mais de 5 anos de idade devem se vacinar e receber a segunda dose após 10 anos. Idosos precisam ir ao médico para avaliar os riscos de receber a imunização.
Por causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo.

Fonte: G1

Ciência & Saúde: É perigoso nadar ou tomar banho depois de comer?

Quem nunca ouviu aquela frase: "Não vá nadar depois de comer porque faz mal"? Isso é o que diz a cultura materna. Mas será que nadar ou tomar banho após as refeições, realmente tem algum risco?

Durante a digestão, o corpo aumenta o fluxo de sangue nos músculos do sistema digestivo direcionando mais sangue e oxigênio para essas áreas. De acordo com os médicos, a prática de exercícios físicos faz o corpo direcionar o fluxo para outros músculos criando uma espécie de "competição" por energia.

"Nadar com intensidade depois de comer muito certamente não faz bem. Agora, tomar um banho de piscina com movimentos suaves dentro d'água, depois de uma refeição leve, não faz mal", afirma Eduardo Berger, gastroenterologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

Quanto esperar?

O fator principal na hora de calcular o intervalo entre a alimentação e o exercício físico é pensar no que se come. "Se a pessoa comer uma feijoada o ideal é esperar umas três ou quatro horas antes de fazer exercícios. Se [a refeição for] de frutas, suco, ou carboidratos entre meia e uma hora já resolve", explica o ortopedista Ricardo Munir Nahas, coordenador científico da Associação Paulista de Medicina.

Na lenda familiar, tomar banho também parecia algo capaz de provocar síncope --a perda dos sentidos. Mas segundo os especialistas isso é apenas um mito. "É importante evitar banhos muito quentes e demorados, pois podem provocar mal-estar por queda da pressão arterial", explica Berger.

Ou seja, entrar na piscina só para ficar ali curtindo a água, tudo bem. O que não pode é praticar exercícios de grande esforço.

Mas que mal exatamente pode causar? "Dependendo da condição física pode ter uma síncope, mas as reações vão desde um desconforto, náusea, soluço, e dores abdominais. Em casos extremos, como de uma pessoa com cardiopatia, o esforço após a refeição poderia causar um infarto", comenta Nahas. 

Os médicos ressaltam que embora os riscos de afogamento sejam pequenos, não são inexistentes. "Por que essa 'fixação' com a natação? Simples: o ser humano tem por habitat a terra, não a água. Um mal-estar 'no seco' é mais facilmente observado e socorrido. Já na água, a consequência pode ser muito pior", alerta Berger.

Fonte: UOL


Brasil está sentado em 'bomba-relógio', diz especialista sobre febre amarela

Após alta em número de casos suspeitos notificados no interior de Minas Gerais pesquisadores temem risco de doença chegar a centros urbanos.


O aumento de casos de febre amarela silvestre (transmitida em regiões rurais e de mata) em Minas Gerais pode ser um surto cíclico da doença, como o já observado em 2009. Mesmo assim, o país corre risco de ver um retorno dela às áreas urbanas, avaliam pesquisadores.
Desde o início de janeiro, 23 casos suspeitos foram notificados no interior de Minas Gerais — 14 deles levaram à morte dos pacientes. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado, 16 deles são considerados prováveis, após exames apontarem a presença do vírus, mas ainda estão sendo investigados.
No interior de São Paulo, uma morte foi confirmada como causada pela febre amarela silvestre em dezembro, a primeira desde 2009.
"Já esperávamos um surto maior da febre amarela silvestre, mas devemos nos preocupar, sim. Estamos sentados em uma bomba-relógio", disse à BBC Brasil o epidemiologista Eduardo Massad, da USP.
"Precisamos entender o risco de reintrodução de febre amarela urbana, o que seria uma enorme tragédia, talvez maior do que zika, dengue e chikungunya juntas - porque ela mata quase 50% das pessoas que não são tratadas."
A febre amarela é considerada endêmica nas regiões rurais e de mata do Brasil, onde é transmitida por mosquitos de espécies diferentes, como o Haemagogus e o Sabethes, para macacos e, ocasionalmente, para humanos não vacinados. Mas não há registro de casos em áreas urbanas — onde o vetor é o mosquito Aedes aegypti — desde 1942.
O Ministério da Saúde notificou a OMS (Organização Mundial da Saúde) dos casos, seguindo recomendação do Regulamento Sanitário Internacional de informar à organização ocorrências importantes de saúde pública.
Em 2016, o Brasil teve seis casos da doença confirmados, segundo o governo. O último surto da febre amarela silvestre ocorreu entre 2008 e 2009, quando 51 ocorrências foram confirmadas.
A pasta também afirmou que enviou duas equipes e cerca de 285 mil doses de vacina contra a febre amarela para Minas Gerais para controlar a doença. Pessoas nas áreas onde há registro de casos serão vacinadas, e, em seguida, moradores de municípios vizinhos.
Em sua fase inicial, que dura de três a cinco dias, a febre amarela causa calafrios, febre, dores de cabeça e no corpo, cansaço, perda de apetite, náuseas e vômitos. Em sua fase mais grave, a doença provoca hemorragias e insuficiência nos rins e no fígado, o que pode levar à morte.
Macacos
Atualmente, 15 municípios mineiros estão em situação de alerta para a febre amarela. Também estão sendo monitoradas cidades onde ainda não houve casos em humanos, mas que registraram mortes de macacos possivelmente causadas pela doença.
O monitoramento ocorre normalmente no Brasil todos os anos, especialmente entre dezembro e maio, considerado o período de maior probabilidade de transmissão da febre amarela.
A bióloga Marcia Chame, coordenadora da Plataforma Institucional de Biodiversidade e Saúde Silvestre na Fiocruz Rio, diz que as autoridades de saúde no Brasil já haviam percebido que os surtos extravasam o ambiente das florestas aproximadamente a cada sete anos e atingem mais seres humanos no interior do país.
"Este surto maior é cíclico e, por isso, já há atenção sobre isso. Isso tem relação com todas as atividades humanas que invadem a floresta. E no Brasil também temos um processo importante de perda de ambientes naturais", disse à BBC Brasil.
Segundo ela, o aumento das mortes de macacos - principais hospedeiros do vírus no ciclo de transmissão silvestre - é o principal indicativo de que o surto pode estar se aproximando das populações humanas.
"Desde 1940 não temos ciclos, no Brasil, de transmissão deste vírus pelo Aedes aegypti, só pelo Haemagogus. A morte de macacos perto de pessoas mostra que um ciclo que deveria estar limitado ao ambiente das matas está mais perto das áreas onde vivem humanos. E quando eles estão próximos, é mais fácil para o mosquito passar o vírus para uma pessoa", explica.
A bióloga Marcia Chame explica que macacos são uma espécie de 'sentinela', cujas mortes avisam humanos sobre a proximidade de um surto Arquivo Pessoal
"Em 2009, no Rio Grande do Sul, as pessoas chegaram a matar os macacos, achando que eles transmitiam a doença, mas ele nos presta um serviço, porque é o sentinela. É importante notificar as autoridades dessas mortes."
Na Fiocruz, a equipe liderada por Chame tenta entender o que causa esses surtos de maior proporção na tentativa de evitar, também, que o vírus volte às cidades.
"Estamos modelando a ocorrência de febre amarela contra 7,2 mil parâmetros ambientais, climatológicos e outros, para tentarmos identificar que variáveis que causam isso, mas é muito complexo", explica.
"Elas acontecem em ambientes diferentes, com espécies de macacos e de mosquitos vetores diferentes. Precisamos que a população nos ajude a identificar esses animais e o que está ao redor dos locais onde são encontrados - empreendimentos imobiliários, construções."
O receio, diz ela, é que com a diminuição das áreas florestais, animais que foram infectados frequentem cada vez mais os centros urbanos em busca de alimento e abrigo. Lá, eles também poderiam ser picados pelo Aedes aegypti, abundante nas cidades brasileiras.
Retorno
Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda que todas as pessoas que moram ou têm viagem planejada para áreas silvestres, rurais ou de mata verifiquem se estão vacinadas contra a febre amarela. Em geral, a vacina passa a fazer efeito após um período de dez dias.
O risco de que moradores de áreas endêmicas e até ecoturistas contraiam o vírus e o levem para cidades maiores é a principal preocupação dos especialistas. Na verdade, eles ainda tentam descobrir por que isso não ocorreu até agora.
"Ainda é um desafio entender como a febre amarela não voltou para os centros urbanos, já que temos um grande número de pessoas que vão a áreas endêmicas para turismo ou a trabalho e voltam para cidades infestadas de Aedes aegypti", diz Eduardo Massad.
Reprodução/USP Para Eduardo Massad, um desafio é entender por que a doença ainda não voltou às cidades
O médico e pesquisador Carlos Brito, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), concorda. "Dizemos que a febre amarela só não voltou ainda às cidades porque Deus é brasileiro. É uma preocupação real."
Os pesquisadores tentam compreender se o Aedes aegypti teria, por exemplo, menos competência como vetor da febre amarela do que da dengue, da chikungunya e da zika, outros vírus da mesma família.
"Hoje os deslocamentos de pessoas pelo país são muito mais rápidos. Por isso, estes vírus se disseminam com mais facilidade. O fato de a febre amarela ainda não ter se disseminado no país todo é um alento, que dá expectativa de que não aconteça o mesmo que ocorreu com zika e chikungunya nos últimos dois anos", afirma Brito.
"Mas uma coisa é fato: se em 30 anos de dengue batemos recordes de números de casos em 2015 e em 2016, não é porque a população brasileira cresceu. Isso mostra que perdemos o controle do mosquito."
Vacina
O Ministério recomenda a vacina para pessoas a partir de nove meses de idade que vivem nas áreas endêmicas ou viajarão para lá e a partir dos seis meses, em situações de surto.
Segundo a pasta, todos os Estados estão abastecidos com a vacina e o país tem estoque suficiente para atender a todas as pessoas nestas condições.
Para Massad, no entanto, o governo deveria elaborar uma estratégia para ampliar a vacinação contra a febre amarela em todo o país, incluindo as zonas costeiras, onde estão alguns dos maiores centros urbanos, que não são consideradas endêmicas.
De acordo com o ministério, apenas os Estados de Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão fora da Área com Recomendação para Vacinação (ACRV) de febre amarela.
Mas enquanto ainda não se explica como o vírus se manteve fora das cidades durante os últimos 75 anos — mesmo com o aumento da infestação pelo Aedes aegypti — o pesquisador continua preocupado.
"A probabilidade de levar uma picada de Aedes aegypti no Rio durante o Carnaval é 99,9%. É inescapável. As pessoas ficaram preocupadas com Olimpíada, Copa do Mundo. Isso é besteira. Imagine se chega alguém com febre amarela no Rio no Carnaval."

Fonte: BBC BRASIL.com


Pera diminui risco de diabete e doenças do coração

Não faltam motivos para incluir essa fruta no cardápio todos os dias. Conheça os principais .

Ela sempre ficou à sombra de sua prima-irmã, a maçã. Mas saiba que a pera não deixa nada a desejar em termos de benfeitorias à saúde. Um dos principais motivos tem a ver com seu alto teor de fibras – são aproximadamente quatro gramas em uma unidade –, substâncias que combatem a prisão de ventre e controlam as taxas de colesterol e glicose no sangue.
Resultado de imagem para PERAMas, para garantir o aproveitamento total desses ingredientes, tem que comer a fruta inteira, com casca e tudo. Até porque nessa parte do alimento também residem boa parte dos seus compostos fenólicos – antioxidantes que barram a ação dos perigosos radicais livres.
Segundo estudos, essa combinação é excelente para prevenir e combater o diabete tipo 2, além de diminuir o risco de doenças cardiovasculares. Um grupo que devia dar atenção especial à pera é o de praticantes de atividade física.
Afinal, como a presença de fibras faz o açúcar – fonte de energia – ser liberado de forma gradual na corrente sanguínea, o resultado é pique extra para malhar. Aliás, deixar a digestão mais vagarosa tem outra bela vantagem: a fome demora a aparecer. O fato de a fruta ser lotada de água é outra característica que joga a favor da saciedade e, como consequência, da barriga enxuta.

 Autor: Thaís Manarini 
Fonte: ExpressoMT

Mantenha as mãos limpas para evitar doenças

Especialista fala sobre a importância desse ato no nosso dia a dia


Lavar as mãos pode parecer apenas um simples hábito de higiene. Porém, o que muitos não sabem é que esse hábito pode prevenir contra diversos tipos de doenças, principalmente as infectocontagiosas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que é possível reduzir em até 40% o risco de infecções, diarreias, resfriados e conjuntivite, quanto mantemos esse hábito.

Segundo Dr. Aier Adriano Costa, coordenador da equipe médica do Docway, as mãos são as principais vias de transmissão de germes e micro-organismos. “Se não mantivermos as mãos limpas, atos simples como coçar os olhos, o nariz e a boca, podem colocar sua saúde em risco”, comenta.

O ideal é lavar as mãos várias vezes ao longo do dia. Além disso, é imprescindível lavar as mãos antes e depois das refeições, assuar o nariz ou usar o banheiro. Também é fundamental higienizar as mãos antes e depois de utilizar transporte público. Os ônibus e metrôs são lugares muito propícios para termos contato com bactérias.

Resultado de imagem para alcool gel

Para quem passa muito tempo na rua e não consegue parar em todos os lugares para lavar as mãos, uma opção é o álcool-gel. “O álcool-gel, serve para desinfetar e matar qualquer tipo de bactéria, desde que sua concentração seja de 60% a 80%. Entretanto, apesar de ter uma duração prolongada, ele não substitui a lavagem com água e sabão”, explica.
Para completar, o médico alerta as pessoas que usam lentes de contato. “Antes de colocar e tirar as lentes, as mãos devem estar bem limpas. Contaminar as lentes pode fazer com que a pessoa tenha conjuntivite e tenha que se desfazer das lentes mais cedo do que o comum”, detalha o especialista.
Para conhecer todos os detalhes sobre o Docway, que está disponível para os sistemas Android e iOS, acesse o site www.docway.co.

Nenhum comentário:

Postar um comentário