Se Liga News



23/10/2018

O Brasil quer o que o PT não pode dar: ordem, segurança e estabilidade.

"Jair Bolsonaro incorpora a angústia de um povo que quer apenas mais ordem em um país marcado pela desordem social"



"As escolhas que o Brasil está fazendo neste 2018 nada mais são do que consequência da ampla hegemonia cultural imposta pelos partidos de esquerda e seus tentáculos na academia, na imprensa, nas artes e na educação. Os princípios marxistas para a tomada de poder baseados na luta de classes continuam sendo seguidos à risca pelos doutrinadores ditos “progressistas” com seu viés contemporâneo e seus novos oprimidos."

"Não temos mais proletários, substituídos que foram nas modernas práticas de guerra cultural pelos negros, índios, LGBTs, quilombolas etc. O PT foi hábil ao se apropriar das justas causas dessas e outras minorias como estratégia de tomada de poder e divisão da sociedade e, assim, surgiu o abominável “nós contra eles”, com suas consequências tão nocivas à sociedade brasileira.

Sabemos muito bem de que lado vieram as ameaças de colocar fogo no país, os discursos histéricos de que gente morreria caso Lula fosse para a cadeia, as invasões, depredações e outras ameaças à estabilidade. O “exército do Stédile” esteve sempre pronto para invadir propriedades, fechar rodovias e perturbar a ordem, tornando a sociedade refém de suas práticas criminosas e, pior, sempre impunemente.

Os eleitores brasileiros, em sua maioria, expressaram em 7 de outubro repulsa a essas práticas e ao modelo de governar e de apropriação das instituições por parte do PT – José Dirceu, a propósito, disse, recentemente, em entrevista a um jornal espanhol, que o objetivo do partido, mais do que ganhar eleições, é tomar o poder.

Candidatos mais ao centro não foram bem-sucedidos em suas campanhas justamente por não conseguirem captar o cansaço dos brasileiros com a desordem social

Candidatos mais ao centro, infelizmente, não foram bem-sucedidos em suas campanhas justamente por não conseguirem captar o cansaço dos brasileiros com a desordem social e seus nefastos efeitos, como a epidemia de criminalidade e desrespeito generalizado à lei. Jair Bolsonaro incorpora essa angústia de um povo que quer apenas mais ordem no país.

Com todos os equívocos em seu discurso, o candidato do PSL, se eleito, terá todas as condições de resgatar a paz no país, pondo fim ao ódio e ao radicalismo. Adversários do capitão o acusam de incentivar a violência quando apenas advoga o combate rigoroso à criminalidade, o direito de as vítimas de bandidos se defenderem e as garantias jurídicas de vítimas e policiais que reajam a crimes.


Desculpe, o reprodutor de vídeo não foi carregado.(Código de erro: 101104)
Os brasileiros estão se sentindo desprotegidos e com a sensação de que os criminosos têm mais direitos que suas vítimas. A percepção geral é de que o crime corre solto por causa das políticas de direitos humanos. Pode ser uma concepção equivocada, mas que só reforça o sentimento de abandono que se apossa dos cidadãos diante de um Estado incapaz de lhe dar segurança.

Certamente que, num eventual governo Bolsonaro, a sociedade e as instituições em particular estarão vigilantes e atentas ao primado de que os direitos individuais são perfeitamente compatíveis com a segurança pública. Afinal, ninguém de bom senso prega a entrega de uma carta branca ao futuro presidente, até porque não devemos enxergá-lo como salvador da pátria."

"Bolsonaro, se eleito, deve firmar claro compromisso com a estabilidade e com os princípios do Estado Democrático de Direito, com o respeito às minorias e às garantias individuais. O calor do enfrentamento ideológico dos últimos anos certamente o levou a se pronunciar de forma intempestiva em algumas ocasiões, abrindo espaço para ser acusado de homofóbico, misógino, fascista e outros predicados nada elogiosos. O próprio candidato vem amenizando seu discurso e aguarda-se que desconstrua, com seus atos, a narrativa de que sua eleição será um risco à democracia, até porque as instituições democráticas estão funcionando de forma plena no país, com independência dos poderes, e não há risco de aventuras autoritárias. Que ele deixe claro seu compromisso com a democracia e promova um ambiente de concórdia, entendimento e tolerância.

Resta claro que o candidato do PSL se apresenta como o mais habilitado a levar adiante as necessárias e urgentes reformas constitucionais. A da Previdência não pode mais esperar e exigirá do novo presidente grande habilidade na negociação com o Congresso, diante da resistência de setores das corporações estatais ao fim iminente de privilégios injustificáveis. A reforma dos tributos, já em andamento no Legislativo, precisa avançar para além da simples racionalização fiscal. O Brasil precisa de uma efetiva, mesmo que gradual, redução da elevada carga tributária que sufoca o setor produtivo, comprometendo sua capacidade de investimento e de geração de empregos. Por fim, Jair Bolsonaro emite sinais positivos de compromisso com a discussão sobre o tamanho do Estado brasileiro, hoje tão caro, injusto, grande e ineficiente. Esta é a grande reforma a ser feita.

O Brasil precisa de ordem, estabilidade política e crescimento econômico.

Edson José Ramon, empresário, é presidente do Instituto Democracia e Liberdade (IDL) e ex-presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP)."
FONTE: https://www.gazetadopovo.com.br/
  • Comentários no Blogger
  • Comentários no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: O Brasil quer o que o PT não pode dar: ordem, segurança e estabilidade. Rating: 5 Reviewed By: Oedimar Oliveira