Na Montanha ou em Jerusalém - Se Liga na Informação



Na Montanha ou em Jerusalém

Compartilhar isso
NA MONTANHA OU EM JERUSALÉM?... 

ARGUMENTOS SOBRE A RELIGIÃO - um passatempo favorito do Oriente Médio.


Alguns simplesmente falam por falar: minha fé é a mais antiga, a mais verdadeira ou a melhor. Às vezes, essas divergências se tornaram causas de divisões acrimoniosas entre os crentes, como mostra o número de facções judaicas, cristãs e muçulmanas.

Um dos mais veementes do mundo antigo é mencionado na passagem do Evangelho sobre a Mulher no Poço - o conflito entre judeus e samaritanos - (João 4:5-42).

A divisão entre judeus e samaritanos pode ser atribuída à divisão do reino de Davi em reinos do norte e do sul após a morte do rei Salomão.


O reino do norte, conhecido como Israel, foi invadida pelos assírios no 8° século a.C. .

O reino do sul foi chamado de Judá e seus habitantes acabaram sendo conhecidos como judeus.

O reino do sul permaneceria até ser conquistado pela Babilônia quase 200 anos depois.

Os Samaritanos afirmavam que eles eram o verdadeiro Israel, descendentes das tribos de Efraim e Manassés, que sobreviveram à destruição do reino setentrional de Israel pelos assírios em 722 a.C. . Para este dia Samaritanos preferem chamar-se Israelitas (a palavra Samaritano significa “Guardião da Lei”). Havia supostamente de um milhão deles no 1° século A.D. Apenas 750 permanecem como uma comunidade distinta hoje.

Os líderes religiosos judaicos e samaritanos ensinaram que era errado ter qualquer contato com o grupo oposto, e nenhum dos dois devia entrar nos territórios uns dos outros ou mesmo falar uns com os outros. É por isso que a mulher samaritana respondeu ao pedido de Jesus por uma bebida dizendo: “Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana?” Pois os judeus não se relacionam com os samaritanos ”(João 4: 9).

Dada essa relação, a parábola de Jesus do Bom Samaritano foi especialmente vigorosa.

Os Samaritanos só aceitam como escritura os primeiros cinco livros do Antigo Testamento, a Torá (a Lei), rejeitando a autoridade de outras seções do Antigo Testamento (os livros proféticos / históricos), bem como o Talmude, uma fonte principal da Tradição Judaica. Seu texto da Torá difere daquele usado pelos judeus também. Os Samaritanos afirmam que sua versão da Torá era a original e que os judeus tinham um texto falsificado produzido por Esdras durante o exílio babilônico. Estudiosos modernos das Escrituras apontam para uma edição considerável das Escrituras Judaicas naquele tempo.

QUESTÃO DO TEMPLO

Tanto judeus como samaritanos acreditavam que Deus tinha uma morada única na terra. Foi lá que a glória de Deus se manifestou como fora a Moisés no monte Sinai. Eles discordaram, no entanto, sobre a localização deste lugar sagrado.

Os judeus olhavam para Jerusalém, onde Salomão havia construído seu templo antes da divisão entre os reinos do norte e do sul. O culto Samaritano era focado no Monte Gerizim, perto de Siquém (Nablus moderno), que eles afirmavam ser o santuário original, em uso desde o tempo de Josué. Este era o lugar, eles acreditam, onde Abraão foi ordenado por Deus para oferecer Isaque, seu filho, como sacrifício ( Gênesis 22: 2 ).

Quando a liderança judaica, que havia sido deportada para a Babilônia no 6º século a.C., foram autorizados a retornar, reconstruíram o templo de Jerusalém e codificaram suas Escrituras e práticas rituais. Enquanto nos séculos anteriores eram regularmente oferecidos sacrifícios em santuários associados a Abraão e outras figuras primitivas, a recém-emergente liderança judaica insistia que o templo de Jerusalém era apenas um local legítimo de sacrifício.

Na primeira metade do 5° século a.C. os samaritanos construíram um templo no Monte Gerizim e ofereceram sacrifícios lá. Este templo foi destruído em 128 a.C. pelo sumo sacerdote judeu João Hircano que capturou Samaria e ampliou o reino judeu.

Os samaritanos não estavam associados às revoltas dos judeus contra os romanos, enquanto os romanos expulsaram os judeus de Jerusalém em 135 d.C, os samaritanos foram autorizados a permanecer.

O templo Samaritano no Monte Gerizim foi reconstruído e manteve-se até o 5° século d.C., quando os Samaritanos se revoltaram contra Roma. Eles foram derrotados e barrados do monte Gerizim. Os samaritanos continuaram a se opor a Roma; eles foram reconhecidos como uma comunidade legítima sob o Islã. Enquanto eles nunca reconstruíram seu templo, eles ainda celebram a Páscoa todos os anos no "altar de Abraão", no antigo local do templo.

CRISTO E A QUESTÃO DO TEMPLO

No encontro de Jesus com a mulher samaritana, Ele tocou na questão do templo. A mulher disse: “Nossos pais adoraram nesta montanha e vocês judeus dizem que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar”. Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me, vem a hora em que nem nesta montanha nem em Jerusalém adorareis o Pai. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade ...” (João 4: 19-23).

Jesus rejeitou a importância de um templo físico como necessário para adorar a Deus. O relacionamento de Deus com a humanidade estava mudando. Quando Jesus estava no templo de Jerusalém, Ele fez este anúncio enigmático: 'Destrua este templo e em três dias levantarei'. Então os judeus disseram: 'Levaram quarenta e seis anos para construir este templo, e você o levantará em três dias?' ...mas ele estava falando do templo do seu corpo (João 2: 19-21)

O lugar do sacrifício não estaria em um santuário ou em um templo; seria o próprio corpo do próprio Cristo. Aqui, o único sacrifício definitivo seria oferecido para o perdão dos pecados de toda a humanidade. Enquanto o corpo terreno de Cristo seria o templo do Seu sacrifício na cruz, Seu corpo espiritual, a Igreja também compartilharia em Seu papel como o novo templo de Deus.

Uma vez que a Igreja é o Corpo de Cristo, em que o Espírito Santo habita, é um templo composto de pedras vivas, a primeira das quais é Cristo, a Cabeça do Corpo.

E assim é, como o templo do Deus vivo que somos lembrados.

"E, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, vos também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo." (1 Pedro 2: 4-5).

Aqueles que estão unidos a Cristo no batismo tornam-se este santo sacerdócio cujo sacrifício de louvor, a Divina Liturgia, cujas esmolas, cujos presentes de jejum e outras ofertas estão unidos ao próprio sacrifício de Cristo.

A comunidade de cristãos em todo o mundo é a casa espiritual construída de pedras vivas e unida à Pedra Preciosa escolhida por Deus.

Autoria: Evangelista Rodrigo Alex (Teólogo e Professor)


...em CRISTO!

Estejamos firmes na Pedra Principal, Eleita e Preciosa; e quem nela crer não será confundido.

Forte e fraterno abraço ao grande amigo em Cristo. Obrigado pela permissão desta publicação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário