Escola Bíblica Dominical: Os Cônjuges e o Poder da Comunicação - Se Liga na Informação



Escola Bíblica Dominical: Os Cônjuges e o Poder da Comunicação

Compartilhar isso
TEXTO BÍBLICO BÁSICO

Sl 19.1-6
1- Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.
2 - Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.
3 - Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz.
4 - A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol,
5 - O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho.
6 - A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor.


Tg 1.19-22
19 - Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.
20 - Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus.
21 - Por isso, rejeitando toda a imundícia e superfluidade de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas.
22 - E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.



TEXTO ÁUREO
"Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.", Tg 1.19


COMENTÁRIO


Palavra introdutória
Antes da criação da mulher, Adão sentia-se sozinho, pois não havia alguém com quem pudesse conversar. Então, com o objetivo de dar uma solução para isso, Deus fez a mulher com enorme capacidade comunicativa, ou seja, quando Deus resolve, Ele resolve mesmo...É ou não é? 
Quando o casal negligencia o poder que há no diálogo, aquilo que seria fácil de recuperar se transforma em um obstáculo gigantesco. Muitos problemas que ocorrem no relacionamento conjugal são provenientes da falta ou do uso inadequado da comunicação. Daí, a importância do tema desta lição. 



1. A COMUNICAÇÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA OS RELACIONAMENTOS
Deus subsiste desde a eternidade em três pessoas distintas, mas na mesma essência (Trindade). As pessoas da trindade dialogam entre si de maneira harmônica, plena e perfeita.
Esse mesmo Deus fez o homem conforme Sua imagem e semelhança e, por conta dessa semelhança, o homem foi dotado de poder para comunicar-se também, sendo capaz de dialogar consigo mesmo e com seus semelhantes. Isso é um dom e, ao mesmo tempo, um poder extraordinário que precisa ser utilizado corretamente. 


1.1 A definição do termo e suas implicações

Literalmente, comunicação é tornar comum uma ação, ou seja, é um fenômeno concreto e objetivo pelo qual informações, qualidades e atitudes são transmitidas de uma pessoa para outra.
É importante notar que o ato de comunicar implica:
  • confiança, pois questões pessoais são reveladas ao outro;
  • liberdade, onde há prisões, o silêncio reina e, onde há liberdade, as vozes ecoam;
  • cumplicidade, pois ninguém compartilha com quem ignora;
  • credibilidade, pois, ao comunicar, o indivíduo se dá a conhecer, e ninguém se abre quando não existe credibilidade;
  • diálogo, pois, por meio das palavra, o casal estabelece comunhão.


1.2. A comunicação e a linguagem adequada

Em síntese, para que haja comunicação, são necessários alguns elementos: o transmissor (aquele que transmite a mensagem); o receptor (aquele que recebe a mensagem) e o canal (meio pelo qual a mensagem é transmitida). Quanto mais pontos comuns existirem entre esses elementos, melhor e mais eficaz será a comunicação.
Dentro dessa perspectiva, a comunicação é produto da razão, da capacidade de pensar, de planejar e de agir. Ela não é fruto do acaso ou um ato fortuito. Se os cônjuges não estabelecem comunicação e vivem dentro de casa como se fossem ilhas, um para cada lado, eles precisam decidir mudar de comportamento e começar a buscar pontes, elos, para romper com o isolamento.


1.3. A comunicação a serviço de Deus
Deus é eterno. Tudo que existe, seja no mundo espiritual ou no material, é fruto do ato comunicativo de Deus (Sl 19; Rm 1.19,20). Como nenhum outro, Ele utiliza linguagem e o canal corretos a fim de comunicar Sua vontade, e, para cada contexto, um modo eficaz de comunicação (Hb 1.1,2).
Se um casal tem dificuldades para se fazer entender dentro de casa, se não consegue estabelecer pontes e desenvolver uma vida saudável no ambiente familiar, se possui bloqueios ou se faltam antenas que sintonizem seu relacionamento familiar (entre pai e filho ou entre marido e mulher), ele precisa lembrar-se de que existe um Deus nos céus especialista em comunicação, capaz e desejoso de ajudar a solucionar esses problemas (Sl 40.1,2).



2. A COMUNICAÇÃO COMO OPORTUNIDADE PARA CONHECER O OUTRO



2.1. Eu conheço minha esposa?

Grande parte do sucesso do casal repousa sobre os ombros do marido. Como líder do lar, ele tem a obrigação de alimentar sua esposa (Ef 5.25,29) e seus filhos com amor, fé, cuidados da vida com Deus. Como sacerdote da casa, ele também deve conduzir e orientar os relacionamentos no ambiente familiar (Jó 1.5). No entanto, para que esses papéis se cumpram, ele precisa conhecer bem sua esposa e seus filhos, saber suas preferências, seus gostos e entender suas limitações e virtudes.

Para conhecer um ao outro, é preciso: (1) observar o comportamento; (2) valorizar o que o cônjuge tem a dizer; e (3) perguntar ao outro como foi seu dia.



2.2. Eu conheço meu marido?
A edificação do lar passa pelas atitudes e obras da mulher (Pv 14.1). Ela é dotada de percepção aguçada e consegue, quando deseja, notar detalhes que os homens não percebem. Ela sabe agir de modo que agrada ao marido e consegue obter, sabiamente, aquilo que deseja.
Todavia, quando a sabedoria é ignorada, e a mulher, de maneira tola, fica medindo forças com o marido, os problemas se avolumam em casa, e o insucesso bate à porta da família. Não é sem causa que o texto bíblico de Provérbios 14.1 salienta que a mulher tola, com as próprias mãos, derruba sua casa.



2.3. Eu conheço meus filhos?
É fundamental que a criação de filhos seja conduzida com isonomia, isto é, que não haja filhos prediletos. Ter predileção por um dos filhos costuma provocar diversos problemas familiares (Gn 37.3,4). Por outro lado, cabe aos pais conhecerem a personalidade de todos os filhos, para que, nas ações de educar, as orientações estejam condizentes com a individualidade de cada um. Isso faz parte da comunicação, pois, quando se conhece o receptor, fica mais fácil escolher a maneira de transmitir a mensagem desejada. 


3. OS RUÍDOS DA COMUNICAÇÃO



3.1. O poder da palavra temperada
Em Colossenses 4.6, está escrito: A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada uma. Além de agradável, a palavra deve ser temperada com sal. É importante dosar o sal de forma correta para que o alimento não seja salgado demasiadamente ou fique insosso. O cônjuge pode exigir do outro o cumprimento de suas responsabilidades, mas não pode se esquecer de que a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira (Pv 15.1).



3.2. A expressão corporal e a comunicação
A tônica desta lição é a comunicação verbal. No entanto, o corpo também comunica: por meio dos gestos, do olhar e até do silêncio. É possível dar atenção ao outro ou desdenhar dele pela maneira como alguém usa o seu corpo. Um gesto apenas consegue revelar a alma de uma pessoa de uma pessoa. É extremamente desconfortável e grosseiro conversar com alguém olhando para os lados ou cumprimentar uma pessoa sem olhar em seus olhos. Infelizmente, isso emperra qualquer possibilidade de comunicação.



3.3. A cordialidade da comunicação
A palavra cordialidade significa manifestação explícita de afeto e simpatia. Essa manifestação ocorre quando uma pessoa coloca-se no lugar de outra (Mt 7.12). É inaceitável o tratamento grosseiro e rude entre marido e mulher. Se o homem amar a esposa como Cristo amou a Igreja, e se a esposa reconhecer a autoridade do marido, não haverá dificuldades para praticar a cordialidade na comunicação entre o casal.



CONCLUSÃO

Uma questão que não se pode perder quando o assunto é comunicação conjugal é o amor. Sem amor, nada subsiste na vida a dois. Quando forem chamar a atenção um do outro, marido e esposa devem permitir que o Espírito Santo traga à memória deles o texto de Provérbios 10.11: A boca do justo é manancial de vida, mas a violência cobre a boca dos ímpios. Que Deus abençoe as famílias e dê a elas o poder para se comunicarem com graça e amor.


ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO



1. De acordo com a lição, cite três elementos que ajudam a conhecer o cônjuge:

Fonte: Revista Lições da Palavra de Deus n° 59



SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário