Se Liga News



16/11/2018

Itamaraty no governo Bolsonaro deve ser pró-Israel e anticomunista

Ernesto Araújo já descreveu o islamismo radical como "o inimigo do Ocidente”


O presidente eleito Jair Bolsonaro apresentou Ernesto Araújo como novo Ministro das Relações Exteriores durante uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (14), em Brasília. O capitão aproveitou para reforçar que, ao contrário do que especula a mídia, não mudou de ideia sobre a mudança da embaixada brasileira para Jerusalém.

Em seguida, em um rápido pronunciamento, Araújo declarou que se faz necessário que o Itamaraty “traduza numa política efetiva, numa política em função do interesse nacional, de um Brasil atuante, feliz e próspero”. Como tem sido comum, as críticas às escolhas de Bolsonaro vieram de todos os lados. Não só do Partido dos Trabalhadores, que reclamou de suas políticas extremamente conservadoras, mas sobretudo de veículos da grande imprensa.
O motivo é simples: o histórico de Araújo mostra que ele é simpatizante do governo de Donald Trump e está ciente que o radicalismo muçulmano é um perigo. Em vários textos assinados pelo novo chanceler em seu site pessoal, o Metapolítica, ele mostra ser um cristão praticante.
Na apresentação, descreve-se da seguinte forma: “Tenho 28 anos de serviço público e sou também escritor. Quero ajudar o Brasil e o mundo a se libertarem da ideologia globalista. Globalismo é a globalização econômica que passou a ser pilotada pelo marxismo cultural. Essencialmente é um sistema anti-humano e anticristão. A fé em Cristo significa, hoje, lutar contra o globalismo, cujo objetivo último é romper a conexão entre Deus e o homem, tornado o homem escravo e Deus irrelevante. O projeto metapolítico significa, essencialmente, abrir-se para a presença de Deus na política e na história.”
Funcionário de carreira do Itamaraty, Araújo atuava como diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos. Recentemente, aos 51 anos foi promovido à diplomata de primeira classe, alcançando o topo de sua carreira.
Os escritos do novo ministro “horrorizaram” a mídia porque ele fazia fortes críticas ao PT, que chamou de Partido Terrorista. Também é categórico em seus posicionamentos. Em uma longa análise da postura de Trump, assegurou: “O inimigo do Ocidente não é a Rússia nem a China, não é um inimigo estatal, mas é sim principalmente um inimigo interno, o abandono da própria identidade, e um inimigo externo, o islamismo radical”.
Ao anunciar a indicação de Araújo por meio de sua conta no Twitter, Bolsonaro escreveu: “A política externa brasileira deve ser parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje”. A ruptura com Cuba esta semana e a conhecida opinião do futuro mandatário do país sobre os regimes comunistas são indícios de o quanto as coisas devem mudar.
A partir de janeiro de 2019 será possível ver, de fato, as mudanças que há muito se espera na postura brasileira nas relações exteriores. O rompimento com a história recente, de submissão às agendas globalistas da ONU e o apoio às propostas de países islâmicos, sobretudo contra Israel, devem ser um passo importante na construção de uma nova imagem do Brasil no exterior.

Fonte: Gospel Prime
  • Comentários no Blogger
  • Comentários no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: Itamaraty no governo Bolsonaro deve ser pró-Israel e anticomunista Rating: 5 Reviewed By: Oedimar Oliveira