Batalhar com afinco pela fé - Se Liga na Informação



Batalhar com afinco pela fé

Compartilhar isso

Por Greg Koukl
Traduzido por Anderson Rocha – Artigo original aqui.
Há três anos, sentei-me num banco curto numa pequena igreja de pedra nos arredores de Oxford. Em um pequeno cemitério do lado de fora havia uma lápide plana com o nome “Clive Staples Lewis” gravado no granito.
O banco em que minha esposa e eu estávamos sentados era o mesmo lugar que C.S. Lewis ocupava com seu irmão Warnie todos os domingos de manhã durante décadas, enquanto eles adoravam juntos na Igreja da Trindade.
Este homem, C.S. Lewis, provavelmente mais do que qualquer outro no século 20, viveu a admoestação de uma passagem que eu quero que você pense. Aqui está:
“Amados, enquanto eu estava fazendo todos os esforços para escrever sobre a nossa salvação comum, senti a necessidade de escrever para você, apelando para que você lutasse fervorosamente pela fé que foi de uma vez por todas entregue aos santos.” (Judas 3)
Nunca antes na minha vida esse versículo foi mais importante para os cristãos ouvirem, considerarem e atenderem.
Note três elementos neste verso que são essenciais para o pedido de Judas.
Primeiro, Judas faz referência a uma mensagem específica com conteúdo específico, a “fé que foi de uma vez por todas entregue” – o fundamento da “nossa salvação comum”. Segunda é a admoestação para “lutar fervorosamente” por essa fé – proclamá-la, guardá-la e defendê-la. Finalmente, Judas nos lembra que ela havia sido “entregue” aos santos – passada dos discípulos para a próxima geração na igreja.
Eis por que esses três elementos da admoestação de Judas são críticos para você e para mim agora. No início do século XXI, estamos na luta cultural e teológica de nossas vidas. O ataque está vindo de muitas direções, mas estamos enfrentando sérios desafios em duas frentes amplas. Simplificando, temos problemas no mundo e problemas na igreja.
Problemas no mundo
Atualmente, a cosmovisão cristã está enfrentando ataques em várias frentes.
Nossa história começa com “No começo, Deus”, mas uma série de escritores dedicados – coletivamente conhecidos como os “novos ateus” – tem feito o melhor para garantir que nossa história nunca saia do papel. Há também ataques à integridade de nossa base de autoridade, a Bíblia e uma miríade de ataques à historicidade do ator central do nosso drama – Jesus de Nazaré.
Em meio a esse ataque acadêmico, há uma falta de Deus cada vez mais generalizada e um relativismo militante na cultura. O século 21 começou como uma era de ceticismo radical, especialmente na área de moralidade e religião. Como resultado, o livro de regras morais está sendo reescrito. O certo se tornou errado e errado certo.
Além disso, há uma crescente hostilidade em relação àqueles que levam Jesus a sério com relação à Grande Comissão. Jesus disse que veio: “Para salvar o que estava perdido” (Lucas 19:10), “para dar a sua vida em resgate por muitos” (Mateus 20:28), e “para chamar os pecadores ao arrependimento” (Lucas 5:32) Foi assim que descreveu a sua própria missão.
Contudo, quando proclamamos essa mensagem – a mensagem central de Jesus -, cortejamos o conflito. De fato, ser fiel à afirmação de Jesus de que Ele é o único Salvador é cada vez mais considerado um exemplo de “espalhar o ódio”.
Por exemplo, alguns anos atrás, os Batistas do Sul planejavam evangelizar os judeus durante uma campanha de verão em Chicago. Um consórcio de grupos religiosos naquela cidade – incluindo denominações cristãs, surpreendentemente – exigiu que os batistas ficassem em casa. Eles alertaram que o evangelismo em sua cidade incentivaria crimes de ódio. Na verdade, um grupo judeu alegou que incentivou o “ódio teológico”.
Essa tendência de ver o Evangelho como uma mensagem de ódio ganhou força após o 11 de setembro. Enquanto a fumaça ainda subia dos destroços do World Trade I & II, Thomas Friedman escreveu uma coluna no New York Times intitulada “A Guerra Real”, que chamava de “totalitarismo religioso”:
“Se o 11 de setembro foi de fato o começo da Terceira Guerra Mundial, nós temos que entender o que é essa guerra. Não estamos lutando para erradicar o “terrorismo”. O terrorismo é apenas uma ferramenta. Estamos lutando para derrotar uma ideologia: o totalitarismo religioso. Uma visão do mundo de que minha fé deve reinar suprema e pode ser afirmada e mantida apaixonadamente somente se todas as outras forem negadas. Isso é Bin Ladenismo. Mas, ao contrário do nazismo, o totalitarismo religioso não pode ser combatido apenas pelos exércitos. Tem que ser combatido em escolas, mesquitas, igrejas e sinagogas, e pode ser derrotado apenas com a ajuda de *imãms, rabis e sacerdotes. [ênfase adicionada]
Ele então aplaudiu um rabino que “… criou suas próprias escolas em Israel para competir com os fundamentalistas judeus, muçulmanos e cristãos, que usavam suas escolas para pregar visões religiosas exclusivistas”.
Esse mesmo tema continua aparecendo em todos os lugares que eu vou: Nós somos o inimigo. No outono passado, no rádio, ouvi Chris Matthews de “Hardball” dizer que as pessoas na América mais parecidas com o Taliban eram os cristãos evangélicos.
Isso coloca qualquer igreja comprometida em cumprir a Grande Comissão diretamente na mira das guerras culturais.
Problemas na Igreja
Não há apenas problemas no mundo – problemas do lado de fora – mas há sérios problemas no interior. Infelizmente, apesar da infinidade de materiais disponíveis para os crentes, ainda há um profundo analfabetismo bíblico nos círculos cristãos.
Em 2005, os pesquisadores Christian Smith e Melinda Denton conduziram um “Estudo Nacional da Juventude e Religião” e registraram suas descobertas em seu livro, A Busca da Alma: A Vida Religiosa e Espiritual dos Adolescentes Americanos. Aqui está o que eles descobriram.
Primeiro, eles aprenderam que não há lacuna de geração entre os jovens quando se trata de religião. Os adolescentes não eram “buscadores espirituais”, mas sim estavam em casa nos círculos da igreja, com 75% se identificando com alguma forma de cristianismo.
A segunda coisa que descobriram, no entanto, não foi reconfortante. Quando esses mesmos adolescentes cristãos comprometidos foram entrevistados pessoalmente sobre as especificidades de suas convicções, quase nenhum de qualquer fundo religioso poderia articular as crenças mais básicas da fé.
Smith e Denton resumiram sua teologia como “deísmo moralista e terapêutico”. Para esses adolescentes, a religião era sobre ser agradável e desfrutar de um relacionamento com um Deus que queria que eles fossem felizes e se sentissem bem consigo mesmos – o que era fora, a mesma visão religiosa de seus pais.
Mas a imagem piora.
Em setembro de 2009, fui hóspede de um diálogo inter-religioso em Los Angeles com o padre católico romano Gregory Coiro diante de uma grande audiência judaica no Rosh Hashaná.
Quando perguntado por que Jesus era o único caminho de salvação, eu ofereci um relato lúcido do evangelho. Padre Coiro, em seguida, afirmou a importância de Jesus, mas assegurou ao público que a sua busca honesta e sincera do judaísmo contava como fé salvadora aos olhos de Deus. Esses judeus estavam seguros, beneficiários da cruz, apesar de rejeitarem Jesus.
Surpreendentemente, um grande número de protestantes concorda. Deus realmente não se importa com a fé que você segue, uma vez que todos ensinam basicamente as mesmas lições de vida. Em meio a essa confusão teológica, cristãos de todos os tipos estão se afastando da verdade em massa, tornando-se vítimas de uma cultura que celebra o pluralismo.
Com problemas no mundo e problemas na igreja, o que fazemos para cumprir a exortação de Judas? A última carta de Paulo dá a resposta.
Canção do Cisne de Paulo
Se você visitar Roma e fizer o tour certo, você verá uma antiga cisterna a noroeste da cidade. Originalmente destinado a reter a água, mais tarde serviu como uma masmorra. A prisão de Mamertine é uma sala subterrânea circular de teto baixo, feita de pedra, onde os prisioneiros eram baixados em uma corda.
Eu vi fotos do interior úmido e sombrio. Contra uma parede há uma espécie de prateleira de rocha baixa e protuberante. É o único lugar plano na cela, a única superfície em que alguém poderia escrever. Este é provavelmente o ponto exato – essa pequena saliência de rocha – onde o apóstolo Paulo escreveu sua última vontade e testamento espiritual. Nós o conhecemos como 2 Timóteo.
De todos os livros do Novo Testamento, 2 Timóteo é o meu favorito. Foi a mensagem final de Paulo, seu canto de cisne, a última coisa que ele escreveu. É claro, descomplicado e direto ao ponto, falando com força e praticamente aos desafios do século XXI.
2 Timóteo dá a resposta à nossa pergunta sobre a guarda do Evangelho, porque esse é o tema do livro, encontrado explicitamente em 1:14: “Guarde, pelo Espírito Santo que habita em nós, o tesouro que lhe foi confiado”. A mensagem é absolutamente vital para cada um de nós hoje, porque ele nos diz exatamente como é, em qualquer século, lutar fervorosamente pela fé.
Você vê, a igreja primitiva também estava enfrentando problemas em duas frentes.
Houve problemas para os cristãos no mundo. Eles estavam sob um tremendo ataque nessa cultura. Em 64 d.C., um incêndio ocorreu em Roma, que durou seis dias e sete noites, destruindo totalmente uma grande parte da cidade. O Imperador Nero acusou falsamente os cristãos e os puniu com “as mais requintadas torturas”, como o historiador Tácito registra em seus Anais:
Eles estavam cobertos com peles de animais selvagens e preocupados até a morte por cães, ou pregados em cruzes, ou incendiados, e, quando o dia declinava, queimavam para servir de luzes noturnas. Nero ofereceu seus próprios jardins para esse espetáculo.


Em meio a esta extrema perseguição física da igreja, Paulo advertiu sobre uma impunidade generalizada vinda da cultura:
Mas perceba isso, que nos últimos dias os tempos difíceis virão. Pois os homens serão amantes de si mesmos, amantes do dinheiro, prepotentes, arrogantes, insultadores, desobedientes aos pais, ingratos, profanos, desamorosos, irreconciliáveis, fofoqueiros maliciosos, sem autocontrole, brutais, inimigos do bem, traiçoeiros, imprudentes, vaidosos, amantes do prazer, em vez de amantes de Deus. (2 Tim. 3:1-4)
Timóteo também estaria enfrentando problemas na igreja:
Chegará o tempo em que eles não suportarão a sã doutrina, mas, sentindo coceira em seus ouvidos, acumularão para si mesmos mestres de acordo com seus próprios desejos, e desviarão os ouvidos da verdade, e se desviarão para os mitos. (2 Tim. 4: 3-4)
A solução simples de Paulo
Qual é a resposta de Paulo ao desafio de Timóteo, que é o mesmo desafio que enfrentamos? É agradavelmente simples e o coração dela pode ser capturado em três palavras: “Você, no entanto, continua …” (3:14).
Paulo não diz a Timóteo que esteja ansioso por novos movimentos do Espírito, qualquer nova palavra de Deus ou qualquer modismo espiritual de um iniciado. Ele aponta não para o futuro, mas para o passado. “Timóteo, não olhe para frente”, diz ele. “Olhe para trás.” Aqui está a citação completa, parte da qual tenho certeza que é familiar para você:
Você, porém, continua com as coisas que aprendeu e se convenceu, sabendo de quem você as aprendeu, e que desde a infância você conhece os escritos sagrados que são capazes de lhe dar a sabedoria que conduz à salvação através da fé que é em Jesus Cristo.  Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, repreender, corrigir, treinar em retidão, para que o homem de Deus seja adequado, equipado para toda boa obra. (2 Tim. 3: 14-17)
Então Paulo amplia outro ponto. No início do capítulo quatro, ele desafia Timóteo com a linguagem mais sóbria que ele consegue reunir:
“Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino, que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.” (2 Tm 4:1-2,5).
Simplificando, Paulo diz a Timóteo para guardar o Evangelho continuando na verdade  revelada. Em outras palavras, quando tudo mais falhar, leia – e siga – as instruções.
Mas isso não é suficiente.
Passando o bastão
Eu quero que você perceba algo sobre 2 Timóteo. Paulo escreveu sua última carta para uma pessoa, não um grupo. Ele passou o bastão do Evangelho a um indivíduo fiel, um jovem chamado Timóteo, e então lhe disse para fazer o mesmo: “As coisas que você ouviu de mim na presença de muitas testemunhas, confia estas a homens fiéis que serão capazes de ensinar aos outros também.” (2 Timóteo 2:2).
Observe as quatro gerações nesta passagem: Paulo, Timóteo, discípulos fiéis e “outros” – o bastão sendo passado de uma pessoa para outra. Paulo sabia que não seria suficiente para qualquer cristão continuar na verdade. Também precisava ser transmitido. De fato, guardar o Evangelho não é completo até que seja efetivamente transmitido.
Quando me tornei um seguidor de Cristo na UCLA em 1973, eu era um hippie barulhento, opinativo, detestável e de cabelos compridos. Agora, 39 anos depois, eu não sou mais um hippie de cabelos compridos. Eu também não sou tão desagradável quanto costumava ser. Eu devo essa transformação em grande parte a um homem: Craig Englert.
Por dois anos – com grande risco para a vida e os membros – Craig me colocou sob suas asas. Eu tive outros mentores desde então, mas sei com certeza que sem Craig eu não estaria na posição em que estou hoje.
Craig Englert e outros que o seguiram em minha vida não se contentaram em guardar a verdade. Eles precisavam confiar isso a outros – até mesmo a mim, por mais improvável que parecesse na época – para que o Evangelho fosse adiante. Eles passaram o bastão para mim, como Paulo havia feito com Timóteo. De fato, eles estavam passando o mesmo bastão que Paulo passou para Timóteo, que foi então passado por dois mil anos – de um para outro, para outro até que fosse meu para carregar.
Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2008 em Pequim, os corredores americanos sofreram uma derrota humilhante nos relés 4 X 100. Na perna da âncora, Darvis Patton entregou o bastão para Tyson Gay, mas Gay nunca conseguiu. No meio da entrega, eles largaram o bastão.
Tyson Gay foi o nosso melhor velocista. Nós tivemos o time mais rápido. Não importava. Eles largaram o bastão, então perdemos a corrida. Na verdade, nunca terminamos essa corrida.
Paulo disse a Timóteo: “Se alguém compete como atleta, ele não ganha o prêmio a menos que ele concorra de acordo com as regras.” (2:5). “Timóteo”, disse Paulo, “você não pode largar o bastão.”
E também não podemos largar o bastão. Se fizermos isso, nós perdemos.
Sem surpresas
Então, como guardamos o evangelho? Dois caminhos. Primeiro, continuamos nas coisas que já nos foram entregues. Em segundo lugar, passamos o bastão. Essas são as regras.
Se desconsiderarmos a solução de Paulo, não devemos nos surpreender quando permanecermos crianças, jogadas aqui e acolá por ondas, e levadas por todo vento de doutrina, pela astúcia dos homens, pela astúcia em conspirações enganosas (Efésios 4:14).
Se não guardamos o Evangelho, não devemos nos surpreender quando somos levados cativos através da filosofia e do engano vazio, de acordo com a tradição dos homens, de acordo com os princípios elementares do mundo, e não de acordo com Cristo (Col. 2:8).
Se não passarmos o bastão, não deveríamos nos surpreender quando não tolerarmos a sã doutrina, mas querendo que nossos ouvidos sintam coceiras, acumulamos para nós mesmos mestres de acordo com nossos próprios desejos e afastamos nossos ouvidos da verdade e desviando-nos para os mitos (2 Timóteo 4:3-4).
Eu perguntei ao padre Coiro naquela reunião sobre o Rosh Hashaná se havia alguma evidência do Novo Testamento para as garantias que ele oferecia ao nosso público judeu. Ele citou o comentário de Jesus: “Porque aquele que não é contra nós é por nós” (Marcos 9:40). Os judeus em nossa companhia, ele apontou, não eram contra Jesus. Eles devem então, por padrão, serem a favor dEle, o padre raciocinou.
No entanto, Jesus também disse: “Aquele que não é comigo é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha” (Mt 12:30). Então, o que fazemos com essa aparente contradição nos ensinamentos de Jesus? Verifique o contexto. Quando o fazemos, descobrimos que Jesus estava se referindo a grupos totalmente diferentes.
No primeiro caso, Jesus estava falando daqueles que haviam realizado milagres em Seu nome, mas não faziam parte de Seu grupo principal de discípulos – cristãos, em outras palavras, não judeus descrentes. No segundo caso, Jesus estava falando aos judeus que rejeitaram sua reivindicação messiânica.
A questão para nós, então, é: que tipo de grupo o padre Coiro e eu estávamos conversando em nosso evento?   Pessoas que estavam fazendo milagres em nome de Jesus, ou pessoas que estavam rejeitando a afirmação messiânica de Jesus? O padre Coiro aplicava a passagem errada aos nossos ouvintes judeus.
Quando Jesus estava falando a um grupo como havíamos naquele dia, Ele disse: “A menos que você creia que EU SOU, você morrerá em seus pecados” (João 8:24). Quando Pedro estava falando a um grupo como havíamos naquele dia, ele disse: “E não há salvação em nenhum outro, pois não há outro nome debaixo do céu dado entre os homens pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4:12). Quando Paulo estava escrevendo sobre um grupo como o que estávamos falando naquele dia, ele escreveu:
“Eu os testemunho que eles têm zelo por Deus, mas não de acordo com o conhecimento. Por não conhecerem a justiça de Deus e procurarem estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à justiça de Deus. Porque Cristo é o fim da lei para justiça de todo aquele que crê.” (Rom. 10:2-4)
Terminando a Corrida
A chave para disputar a fé – sobreviver ao ataque espiritual do século 21 – é guardar o Evangelho. A chave para isso é encontrada em duas frases simples. Um: “Continue nas coisas que você aprendeu”. De volta ao básico. De volta à Palavra como foi confiada a nós. E dois, confie aos fiéis discípulos que serão capazes de ensinar os outros também.
É isso aí. Guarda o Evangelho continuando na verdade já revelada, depois passe o bastão. Proclame a verdade fielmente, vigie-a diligentemente e passe-a com cuidado. É assim que lutamos fervorosamente pela fé, que de uma vez por todas, foi entregue aos santos. É assim que guardamos o Evangelho que Paulo confiou a Timóteo, agora confiado a nós.
E não até que façamos isso, podemos dizer o que Paulo disse no final de sua magnífica carta: “Combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé”.
Nota:
*imãm – líder religioso do Islamismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário