O mormonismo é apenas outra denominação cristã? - Se Liga na Informação



O mormonismo é apenas outra denominação cristã?

Compartilhar isso

Por Greg Koukl
Traduzido por Anderson Rocha – Artigo original aqui.
Não faz muito tempo, eu li uma resposta impressionante (e contundente) em um post do blog de uma mulher cristã que estava furiosa com os que se opunham às convicções “cristãs” de uma conhecida personalidade da mídia mórmon.
“Se ao menos você se ajoelhasse e orasse pedindo a Deus que lhe desse a sabedoria e o discernimento que você precisa, você veria e saberia que esse é o verdadeiro negócio”, escreveu ela. “Mas ao invés disso você … ridiculariza ele e a igreja mórmon … [ao invés de] fazer sua própria pesquisa.”
O mormonismo não é diferente de outras denominações cristãs, ela insistiu, como batistas e metodistas que ensinam a mesma coisa sobre Jesus, os mórmons. Questionando a legitimidade do mormonismo como uma denominação cristã, acrescentou ela, é ignorante, escarnece de Deus e limita o satânico. Aqueles que o fazem devem ter vergonha de si mesmos e pedir perdão a Deus.
Ela terminou sua acusação com estas palavras: “Eu só peço uma coisa. Antes de você condenar alguém, vá a Deus e peça a SUA explicação [sic] das coisas.”
Bom conselho, me pareceu (conselho que ela mesma poderia ter seguido).
Essa mulher não está sozinha. Não só ela vê a visão de muitos cristãos, mas é a reivindicação da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias *(SUD), pelo menos no momento.
Eles estão certos?
O que há em um nome?
A resposta à pergunta “O mormonismo é uma denominação cristã?” depende inteiramente do significado de duas palavras: “cristão” e “denominação”.
A palavra “cristão” tornou-se quase infinitamente flexível ultimamente. Uma vez que a precisão é necessária para dizer algo significativo – e como as questões sobre denominações são teológicas – usarei a palavra “cristão” em seu sentido teológico comum e histórico.
Usarei a frase “cristianismo clássico” para se referir à forma de cristianismo reconhecida por esse nome por quase dois milênios. Tem doutrinas distintas que a distinguem de outras religiões e também de outras seitas que têm uma semelhança superficial por causa do vocabulário compartilhado, mas diferem em algum ponto doutrinário definidor.
Não estou assumindo aqui que o cristianismo clássico é o verdadeiro cristianismo – que expressa fielmente a compreensão mais primitiva (isto é, antiga) ensinada pelo próprio Jesus. Essa é minha convicção, mas não estou abordando a questão aqui. Eu estou simplesmente tentando ser claro em termos.
Também usarei a palavra “denominação” em seu sentido padrão. Uma denominação religiosa é um subconjunto de uma religião maior. Ele se aplica a todos os aspectos distintivos do grupo de origem – as condições sine qua non ou os fundamentos básicos – e difere de outras denominações desse grupo apenas de maneiras secundárias ou terciárias.
Se uma denominação alegada nega alguma doutrina definidora do grupo maior, ou se ela promove uma doutrina única própria que é inconsistente com um ensinamento central da religião dos pais, então não é uma denominação dessa religião. É um grupo religioso separado e distinto.
Por exemplo, os principais mórmons rejeitam como legitimamente mórmons os grupos que continuam praticando o casamento plural. Essas facções podem compartilhar muitas coisas em comum com o SUD “ortodoxo”, mas promovem uma prática central que se desvia suficientemente da teologia mórmon central para desqualificá-las como “denominações” SUD.
Uma denominação é cristã, então, se 1) a denominação compartilha as doutrinas centrais que historicamente distinguem o cristianismo de outras religiões, e 2) a denominação não tem doutrinas centrais em desacordo com as doutrinas centrais do cristianismo clássico. Suas visões de mundo básicas devem se sobrepor em seus pontos de definição.
Note que a similaridade crítica aqui é compartilhada por doutrinas fundacionais, não compartilhada por terminologia religiosa. Isso é importante. Palavras e frases religiosas podem ter significados radicalmente diferentes para diferentes grupos.
Se o mormonismo é uma denominação do cristianismo, então tudo o que é doutrinalmente central para o cristianismo clássico é também central para a teologia SUD, e nada doutrinariamente central à teologia SUD é inconsistente com o cristianismo clássico.
É este o caso? O cristianismo clássico e os ensinamentos dos SUD são fundamentalmente os mesmos (como afirmou a blogueira)? As diferenças entre SUD e Batistas são basicamente o mesmo tipo de diferenças entre os Batistas e os Metodistas? Ou o mormonismo é uma religião separada que compartilha o vocabulário religioso com os outros, mas não seu sistema de crença fundamental?
Eu não estou perguntando se o mormonismo é verdade agora. Eu estou perguntando se é cristão no sentido clássico do termo. Vamos ver.
Separado, mas igual?
Para responder a essa pergunta, eu comprei o guia mais atualizado e autorizado sobre o mormonismo disponível em Crenças SUD – Uma Referência Doutrinária, publicada pela Editora Deseret Books. As entradas são organizadas em ordem alfabética por tópico. Aqui está o que eu encontrei sob o título “cristão”:
Um cristão é aquele que aceita o testemunho bíblico, profético e transmitido pelo Espírito da divindade de Jesus de Nazaré. Um cristão acredita … que [Jesus] é o Filho de Deus e Deus o Filho. [quem] assumiu o fardo dos pecados e sofrimentos de toda a humanidade e disponibilizou o perdão e a libertação por meio da fé em seu nome e pela aceitação dos termos e condições de seu evangelho; que ele ressuscitou dos mortos … Um cristão é aquele que reconhece seu pecado e fraqueza e reconhece que a paz, a felicidade e a salvação vêm somente através da aplicação do sangue expiatório de Jesus Cristo. Um cristão sabe muito bem que não há outro nome pelo qual a salvação venha, exceto o nome de Jesus Cristo.
Isso soa estelar, à primeira vista. Não há problemas aqui. Sob a entrada “Deus”, encontramos esta descrição:
Deus é o único supremo governador e ser independente, em quem habita toda a plenitude e perfeição; quem é onipotente, onipresente e onisciente; sem começo de dias ou fim de vida…. Deus é infinito, enquanto homens e mulheres na terra são finitos.
Novamente, tudo parece em ordem, até que você olhe para a página ao lado e leia mais detalhes sob o título “Divindade”.
A Divindade consiste de três personagens: Deus, o Pai Eterno, Jesus Cristo, o Redentor, e o Espírito Santo. [Joseph Smith] referiu-se a esses três como Deus o primeiro, o Criador; Deus o segundo, o Redentor; e Deus o terceiro, a Testemunha ou Testador. O Pai tem um corpo de carne e osso tão tangível quanto o do homem … Esses três são personagens e seres separados e distintos. Esse entendimento … contrasta fortemente com os esforços dos pensadores cristãos tradicionais de manter a ontologia de unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo. [ênfase acrescentada.]
O que? A divindade consiste em três deuses separados e distintos: primeiro, segundo e terceiro? O Pai tem um corpo de carne e osso tão tangível quanto o do homem? É suficiente dizer que essa é uma compreensão muito diferente de Deus do que a encontrada no cristianismo clássico.
Agora você vê porque eu avisei que a terminologia religiosa compartilhada pode ser enganosa se o conteúdo doutrinário não é o mesmo. Simplesmente não é suficiente dizer: “Nós acreditamos em Jesus”, mesmo quando uma série de termos teológicos ortodoxos são inseridos na confissão.
Os primeiros debates no cristianismo foram sobre a natureza de Deus e a pessoa de Jesus. Eles foram feitos para distinguir o cristianismo clássico das corrupções teológicas de contendores parecidos. Arianos antigos, ebionitas, gnósticos e pelagianos todos “acreditavam em Jesus”, mas todos se opunham à igreja primitiva como seitas não-cristãs com veneno teológico em suas veias.
Mesmo no tempo de Paulo havia caracterizações conflitantes de Cristo, com falsas noções ganhando terreno na igreja. É por isso que ele alertou sobre “outro Jesus” e um “evangelho diferente” (2 Coríntios 11:4).
Jesus perguntou a seus discípulos: “Quem dizem as pessoas que eu sou?” Então, “quem você diz que eu sou”(Mateus 16:13–15), porque os detalhes eram importantes. “Aqueles que adoram a Deus”, disse à mulher no poço, “devem adorá-lo em espírito e verdade” (João 4:24).
Quanto à caracterização mórmon de Deus, vou desconsiderar a clara contradição em enfrentar as páginas das Crenças dos SUD de que Deus é “infinito, enquanto homens e mulheres na terra são finitos”, e ainda assim “um corpo de carne e ossos tão tangível quanto o homem.” Em vez disso, a coisa importante que você precisa notar é a distinção explícita feita entre as crenças dos SUD e as dos “pensadores cristãos tradicionais”.
A diferença, ao que parece, é maciça.
O um ou o muitos?
Nicéia foi a primeira linha de credos na areia que distinguiu o primitivo cristianismo apostólico de impostores que compartilhavam uma terminologia teológica, mas não conteúdo teológico. No entanto, as Crenças dos SUD esforçaram-se para distanciar o mormonismo da fórmula Nicena.
A Divindade Mórmon consiste de “três seres” que possuem “todos os atributos de piedade na perfeição”, que são “uma comunidade divina”, compartilhando “nenhuma união mística de substância”. Em vez disso, eles “são tão distintos em suas pessoas e individualidades como são quaisquer três pessoas na mortalidade.”
Esta não é apenas uma rejeição explícita de Nicéia, é também uma afirmação explícita do politeísmo. Note, “Deus o primeiro… Deus o segundo… e Deus o terceiro” são “seres separados e distintos”.
Para ser justo, o Mormonismo nega essa acusação: “A crença dos SUD em… três seres dentro da Divindade… não é dizer que somos politeístas.” No entanto, para ser justo, esta afirmação é difícil de ser levada a sério.
Politeísmo – de poli- (muitos) e teos (deus) – é a crença ou adoração de mais de um deus. Não há nada de ambíguo nessa palavra. Qualquer um pode fazer as contas. O mormonismo é politeísta, apesar de qualquer reclamação em contrário.
A explicação oferecida sobre como o mormonismo evita uma contradição em sua própria teologia – tanto um Deus quanto três Deuses – aparece sob o título “Monoteísmo”:
No sentido final e final da palavra, existe apenas um Deus verdadeiro e vivo. Nós acreditamos em um Deus e acreditamos em uma só Divindade, uma presidência divina do universo… três Deuses… três seres… e estes três constituem a Divindade, e são um.

Observe a qualificação. O mormonismo é “monoteísta” no sentido de que três Deuses distintos compreendem o que foi anteriormente referido como uma “comunidade divina”“Sua unidade de propósito e operação é tal que torna seus éditos um, e sua vontade é a vontade de Deus.”
No entanto, a afirmação da oligarquia divina não resgata o mormonismo da acusação de politeísmo. A crença em múltiplos e distintos deuses é politeísta, mesmo que os SUD se recusem a chamá-lo assim. Os grupos religiosos são livres para definir suas próprias crenças. Eles não estão livres para redefinir o idioma inglês.
Mais uma vez, quero enfatizar que não estou tentando determinar qual visão está correta, mas sim mostrar que essas visões são radicalmente diferentes.
O mormonismo nega explicitamente a condição sine qua non do cristianismo clássico, com o Credo Niceno, afirmando o politeísmo em seu lugar. Então, como de boa fé eles podem continuar a reivindicar ser uma denominação do cristianismo quando negam o núcleo?
A resposta correta é, no final das contas, eles não são. Eles são uma religião distinta destinada a substituir o cristianismo clássico. É por isso que o Mormonismo foi fundado em primeiro lugar.
A Gênese da “Restauração”
Aos 15 anos de idade, em Palmyra, Nova York, Joseph Smith buscou sabedoria de Deus a respeito de qual denominação cristã era a verdadeira e objetiva. Os membros de sua família eram presbiterianos, mas ele estava inclinado (na época) ao Metodismo. Segundo seu testemunho, dois personagens lhe apareceram, o Pai com o Filho, que lhe disse que “não devia se juntar a nenhum deles, pois estavam todos errados… que todos os seus credos eram uma abominação aos seus olhos; que todos os professores eram todos corruptos… [ensinando] doutrinas que são mandamentos de homens…”
Segundo Joseph Smith, uma “Grande Apostasia” corrompeu a igreja desde o início. Como “profeta da restauração”, Smith restauraria o que havia sido perdido – o próprio Evangelho – e estabeleceria a única “verdadeira igreja restaurada”, os SUD. De fato, SUD significa “santos dos últimos dias”. Os mórmons são os santos destes últimos dias, e não aqueles que por 2.000 anos foram comumente chamados de “cristãos”.
É claro que um cristianismo sem o verdadeiro Evangelho não poderia ser considerado o verdadeiro cristianismo. Pior, isso necessariamente faz do cristianismo clássico uma divergência teológica com o mormonismo. Essa conclusão não pode ser evitada.
Joseph Smith afirmou que Deus lhe disse que os credos cristãos atuais eram “uma abominação”, que aqueles que os professavam eram “todos corruptos”, suas doutrinas apenas “mandamentos de homens”. O apóstolo Paulo escreveu: “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.”(Gálatas 1:8).
Se a missão divina de Joseph Smith fosse restaurar o evangelho perdido, então os cristãos do evangelho clássico pregavam o que seria “outro evangelho”, um evangelho que Paulo amaldiçoou. Por força da lógica, se levarmos a sério as afirmações dos SUD, então o mormonismo não poderia ter qualquer parentesco legítimo com o cristianismo clássico, já que a igreja histórica promoveu um evangelho diferente, um evangelho corrupto e um evangelho amaldiçoado por dois milênios.
Estranhamente, as Crenças dos SUD negam isso. Sob o título “Somente a Igreja Verdadeira” (referindo-se ao Mormonismo), os autores afirmam que “isso não significa que homens e mulheres de outras crenças cristãs não sejam crentes sinceros na verdade e genuínos seguidores de Cristo. Isso não significa que acreditemos que a maioria das doutrinas católicas, ortodoxas orientais ou cristãs protestantes são falsas.” (Ênfase acrescentada).
Perdoe-me, mas esta afirmação parece-me enganosa ao extremo. Nenhuma explicação é dada a respeito de porque outras denominações cristãs poderiam ser seguidoras “genuínas” de Cristo “na verdade” quando Joseph Smith chama seus credos de “abominações”. Como isso poderia ser verdade? A própria existência do mormonismo dita o contrário.
Corrigindo a Corrupção
Uma das doutrinas críticas exclusivas do mormonismo e central para a renovação é o casamento eterno. A frase “valores familiares” tem um significado muito diferente para os mórmons do que para os cristãos clássicos. Sob o título “Casamento”, lemos:
Os santos dos últimos dias têm uma compreensão única de como ‘a família é ordenada por Deus’ por causa de nossa crença de que vivemos em um ambiente familiar como espíritos antes de virmos à Terra… Vivíamos na família de Deus, onde nos ensinavam, criados e nutridos pelos pais celestiais.
Os Mórmons valorizam o casamento e a família acima de tudo porque o próprio Deus tinha uma esposa e uma família, também, com cada um de nós como Seus filhos na pré-existência. A família, então, é a ordem divina e eterna. Como filhos de Deus, “todos os homens e mulheres… são literalmente filhos e filhas da Deidade [sic]”.
Esta não é apenas uma compreensão radicalmente diferente do casamento em comparação com o cristianismo clássico. É uma compreensão radicalmente diferente da salvação:
Entendemos que o plano de salvação forneceu os meios pelos quais poderíamos estar unidos como famílias por toda a eternidade em um estado de perfeita felicidade e alegria. [Os pais mórmons desejam] a construção de um lar e família e de um reino próprio; para o estabelecimento do fundamento de aumento eterno e poder, glória, exaltação e domínio, mundos sem fim. A salvação é um assunto de família… A salvação plena consiste na continuação da unidade familiar em glória celestial. Aqueles para quem a unidade familiar continua têm vida eterna; aqueles para quem não continua não têm a vida eterna, pois o céu em si é apenas a projeção de uma família justa para a eternidade. [ênfase adicionada]
Os cristãos clássicos nunca mantiveram o “casamento eterno” por duas boas razões. Primeiro, Jesus negou (Mateus 22: 29-30). Em segundo lugar, a igreja nunca ensinou isso. No entanto, é fundamental para a compreensão mórmon da vida eterna. É “um requisito para a exaltação na mais alta glória ou reino de Deus”.
Se as palavras significam qualquer coisa
Nossa pergunta tem sido simples: o mormonismo é apenas outra denominação cristã? Eu tomo a palavra “cristão” em seu sentido teológico comum, histórico – o que chamei de “cristianismo clássico” – como faço com a palavra “denominação”. Qualquer denominação do cristianismo, por definição, compartilha suas doutrinas centrais e promove nenhuma crença em desacordo com essas doutrinas.
Por esses critérios, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não é uma denominação do cristianismo. Ela nega as doutrinas centrais do cristianismo clássico, e o cristianismo nega as doutrinas centrais para os SUD. Embora tenha colecionado alguns dos “restos doutrinais” – para citar o Élder Maxwell – deixado de lado pelo cristianismo da história, o mormonismo é uma religião completamente diferente.
De fato, com exceção dos valores morais compartilhados, não conheço uma única doutrina teológica principal do Mormonismo que sobreponha o cristianismo clássico em momentos cruciais. As duas religiões diferem na natureza básica de Deus, a pessoa de Cristo, a extensão da revelação especial, a queda, o homem, o casamento eterno, o sacerdócio, a vida após a morte, a expiação, o pecado, a salvação e Satanás.
Não fique confuso. Se o mormonismo é cristão, então o “cristianismo” clássico não é.
*(SUD): Santos dos Últimos Dias
Tradução: Anderson Rocha – Autor: Greg Koukl

Nenhum comentário:

Postar um comentário