BRASIL: Pastor critica evangélicos que mandam nudes no WhatsApp: “Promovem o pecado” - Se Liga na Informação



BRASIL: Pastor critica evangélicos que mandam nudes no WhatsApp: “Promovem o pecado”

Compartilhar isso

A prática de enviar os chamados “nudes” não é exatamente uma novidade, mas tem se tornado intensa entre evangélicos. O WhatsApp se tornou uma das principais ferramentas de difusão de pornografia, e essa moda tem resultado na destruição de casamentos, entre outras consequências. Diante disso, um pastor publicou uma exortação, lembrando que o papel do cristão é fazer sua vida uma plataforma de louvor a Deus.

“O WhatsApp pode ser uma ferramenta maravilhosa, todavia, pode também ser instrumento de caos e destruição”, sintetizou o pastor Renato Vargens, em um artigo sobre a moda de envio de nudes entre evangélicos.
No texto, o pastor e escritor enfatiza que o aplicativo de troca de mensagens é uma ferramenta “fantástica”, pois “através dela podemos agilizar reuniões, promover comunhão entre amigos e familiares, resolver questões de trabalho e usá-lo para a edificação da igreja”.
“Talvez você esteja a dizer: ‘Há, eu recebo essas fotos de um grupo de amigos do trabalho. Eu não posso fazer nada!’. Ora, pode sim! Saia do grupo e não alimente sua alma com o que não presta. Ainda tem aquela menina que diz: ‘Fulano é casado e vive me cantando pelo WhatsApp. O que fazer?’. Bloqueie o miserável! Simples assim!”, concluiu o pastor Renato Vargens.

“Mas, infelizmente, o aplicativo não tem sido utilizado somente para isso. Muita pornografia tem sido disseminada através dele, como também, por incrível que pareça, nudes têm sido divulgados por essa rede social”, lamentou o pastor no artigo publicado no portal Pleno News.
Em sua reflexão, Renato Vargens comentou que muitos cristãos têm se permitido deixar levar pela tentação: “Diante disto, pergunto: de que forma você tem usado o WhatsApp? Será que você é daqueles que usa esta ferramenta de comunicação para disseminar o adultério? Promover o pecado? Enviar e receber nudes? Ora, vamos combinar uma coisa? Eu não precisava nem falar, mas, tais atitudes não competem a crentes, não é mesmo?”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário