Ex-homossexuais reivindicam sua existência e seus direitos: “Não nos discriminem” - Se Liga na Informação



Ex-homossexuais reivindicam sua existência e seus direitos: “Não nos discriminem”

Compartilhar isso

Movimento CHANGED reúne homens e mulheres que dizem ser ignorados e discriminados por terem abandonado a homossexualidade.


Enquanto os candidatos à presidência dos EUA discutem os direitos LGBT e as leis de censura ao aconselhamento, os cristãos que deixaram a vida a homossexualidade dizem que são informados de que não existem e têm seus direitos de aconselhamento de apoio proibidos.
Para reivindicar seus direitos, um grupo, formado por homens e mulheres que não se identificam mais como LGBT, incluindo dois sobreviventes dos tiros na boate Pulse em Orlando, está em Washington DC, para dizer aos candidatos, à mídia e aos políticos que “parem de negar sua existência e protejam as suas liberdades”.
Propostas coercitivas como H.R. 5 (a chamada "Lei da Igualdade") e H.R. 3570 (A Lei de Prevenção de Fraudes em Terapia) promovem apenas uma ideologia e forçam apenas um estilo de vida como caminho a seguir, dizem eles.
Esses homens e mulheres, que optaram por abandonar o estilo de vida LGBT, contam que diariamente enfrentam discursos de ódio, protestos e discriminação simplesmente por expressar suas opiniões ou compartilhar suas histórias de vida.
Amazon removeu seus livros, os estados fecharam suas opções de aconselhamento e suas igrejas recebem protestos quando se reúnem. Por isso eles dizem que seus direitos humanos básicos estão sendo negados.
Em seu favor, eles citam o Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos que afirma: "Todo mundo tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; esse direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade, sozinha ou em comunidade com outras pessoas e em público ou em privado, para manifestar sua religião ou crença no ensino, na prática, no culto e na observância".
Movimento Changed
Fundadores do Movimento CHANGED (Mudado) fizeram declarações sobre o que o grupo reivindica.
A ex-lésbica Elizabeth Woning cofundadora do movimento diz:
"Hoje existe uma força crescente que está corroendo as proteções históricas dos Estados Unidos pela liberdade. Pessoas que buscaram e obtiveram sucesso na mudança de seus desejos sexuais (longe da atração pelo mesmo sexo) sempre existiram, mas hoje estamos sendo censurados e as avenidas que usamos ​​para cuidados com a saúde emocional estão sendo fechadas. Nossas vozes expõem o rosto irado e desumano desse perigoso movimento ideológico".
Ken Williams, cofundador do grupo, conta que foi “atormentado por tendências suicidas porque não queria viver a vida que minha atração pelo mesmo sexo estava me levando”.
Ele diz que a terapia de conversação que recebia de um conselheiro profissional salvou sua vida. “Meus desejos sexuais mudaram, agora tenho casado há 13 anos com minha esposa. Temos quatro filhos juntos. Estou conectado a milhares de pessoas através do Movimento CHANGED, da Marcha da Liberdade e de outros grupos que deixaram o LGBTQ para trás”.


Williams revela a condição emocional de muitos indivíduos LGBT. “Muitos de nós éramos suicidas, pois vivenciamos relacionamentos conturbados, problemas de abandono e, às vezes, abuso físico ou sexual”, revela.
Segundo o grupo, listas como HR 5 e HR 3570 promovem apenas uma ideologia e forçam apenas um estilo de vida como caminho a seguir. “Mas muitos de nós, ex-gays, não encontramos satisfação em nossos relacionamentos homossexuais, por isso, projetos de lei como esses ameaçam nossa segurança, autonomia e busca da felicidade”, explica Williams.
Ele diz que a comunidade de ex-gays é ignorada, mas que essas pessoas “existem!”.
“Muitas escolhem, por um motivo ou outro, deixar uma vida LGBT para trás. É assustador imaginar uma América onde a ideologia do governo controla a opção das pessoas, que terapia eles podem ou não receber, que identidade sexual devem ter ou que crenças religiosas podem seguir”, declara.
“A América deveria ser a terra dos livres e o lar dos corajosos. Espero que nossos líderes do governo não permitam que nossa super minoridade seja oprimida na América", diz.
O latino-americano Luis Ruiz, sobrevivente do tiroteio da boate Pulse, ex- homossexual diz que
"Se a 'Lei da Igualdade' e a 'Lei de Prevenção de Fraudes Terapêuticas' se tornarem lei, não seremos capazes de construir nossa organização, a Identidade Sem Medo, que traga esperança e entendimento às comunidades LGBTQ e à igreja através da educação e do ensino bíblico. Nós apoiar um ambiente livre de julgamento para qualquer pessoa que queira buscar mudanças, e a liberdade de fazê-lo sem medo de represálias ou ações judiciais, porque a mudança do LGBTQ é possível ".
Jim Domen, pastor e fundador da Church United na Califórnia, também ex-gay alega que "alterar a Lei dos Direitos Civis usurparia os direitos de incontáveis ​​americanos que não são LGBT ou que não concordam com o estilo de vida por causa de crenças religiosas”.
Ele fala que a HR 3570 proíbe a escolha da direção terapêutica de um paciente. “Escolhi não ser gay e meus terapeutas me ajudaram a afirmar a direção que escolhi para a heterossexualidade e esse projeto negaria a alguém esse direito”, diz.

COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN NEWSWIRE

Nenhum comentário:

Postar um comentário