MINHA FAMÍLIA NOS PLANOS DE DEUS - Se Liga na Informação



MINHA FAMÍLIA NOS PLANOS DE DEUS

Compartilhar isso

Texto 1ª Samuel 1.1-28: “Houve um homem de Ramataim-Zofim, da montanha de Efraim, cujo nome era Elcana, filho de Jeroão, filho de Eliú, filho de Toú, filho de Zufe, efrateu. 2 E este tinha duas mulheres: o nome de uma era Ana, e o da outra Penina. E Penina tinha filhos, porém Ana não os tinha. 3 Subia, pois, este homem, da sua cidade, de ano em ano, a adorar e a sacrificar ao SENHOR dos Exércitos em Siló; e estavam ali os sacerdotes do SENHOR, Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli. 4 E sucedeu que no dia em que Elcana sacrificava, dava ele porções a Penina, sua mulher, e a todos os seus filhos, e a todas as suas filhas. 5 Porém a Ana dava uma parte excelente; porque amava a Ana, embora o SENHOR lhe tivesse cerrado a madre.”

INTRODUÇÃO. A história desta família nos traz lições incríveis, pois revelam a fé de um homem temente a Deus e as virtudes de uma mulher que verdadeiramente era temente a Deus.
Ana é a primeira mulher de Elcana, segundo a tradição o homem tinha permissão de ter outra mulher, caso a primeira não tivesse filhos. E para continuar sua descendência, chega Penina na família. Normalmente, a chegada de uma outra mulher, diminui o amor da primeira, principalmente porque a mulher só tinha valor na sociedade se gerasse filhos.

Porém, Ana é uma mulher que consegue se sobressair sobre Penina, mesmo sem ter filhos. A chegada de Samuel não foi o que provou o valor de Ana, mas sim o fato de ela continuar sendo muito amada por seu marido, ainda que não tivesse filhos, durante anos, conquistando-o com seu jeito de ser. Nessa mensagem, vamos conhecer as virtudes de Ana, que garantiram para ela o amor do esposo, a benção do sacerdote, a resposta de Deus!

I. OS PERNOSNAGEM DO TEXTO

Significado dos Nomes no hebraico.
1. Elcana significa: “que Deus criou”, ou “que Deus adquiriu”, “possessão de Deus”.
2. Ana: Significa: “graciosa” ou “cheia de graça”.
3. Penina significa: “pérola”; “pedra preciosa” ou ainda “joia”.
4. Samuel significa: שמואל (Shmu'el)
שמעו -> Shm'u, traduz-se como “ouviram”
אל -> 'El, traduz-se como “Deus”.
Juntando os dois ficaria “Ouviram Deus”, mas interpreta-se como “Deus ouviu” já que אל (El, Deus em hebraico) é singular e não plural.
- Aquele a quem Deus ouve ou ouvido por Deus.
5. Eli significa: Yawe ou Yahu; Eterno; Altíssimo; Criador. O sacerdote que possuía mais elevação do santuário de Silo.

II. UMA FAMÍLIA PIEDOSA

1. Elcana um homem temente a Deus.
V. 3 “Subia, pois, este homem, da sua cidade, de ano em ano, a adorar e a sacrificar ao SENHOR dos Exércitos em Siló; e estavam ali os sacerdotes do SENHOR, Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli.”

Morava na cidade de Rama cf. vs. 1 e 19.

“ E toda a congregação dos filhos de Israel, se ajuntou em Siló, e ali armaram a tenda da congregação, depois que a terra foi sujeita diante deles” Js 18:1

- Siló era o mais importante local de culto de toda a Palestina, ficava a 38 quilômetros ao Norte de Jerusalém, na região de Efraim. Multidões concorriam a Siló para adorar, sacrificar a Deus e consultar os sacerdotes, dentre eles Eli e também ao profeta Samuel. A arca da Aliança permaneceu nessa cidade por mais de um século, no talmude está escrito que na verdade, foram 369 anos de permanência da Arca da Aliança em Siló.

- Conquanto vivesse num ambiente ímpio, fica evidente que a espiritualidade de Elcana era viva. Mesmo que Hofni e Fineias fossem corruptos, ele era fiel em sua adoração e em oferecer sacrifícios. O mesmo ocorreu com Ana e Simeão nos dias de Cristo (Lc 2:25-38) e deve ser verdade em todos os tempos. A aliança com Cristo não deve depender das obras dos outros. CBASD, vol. 2, p. 481.


III. ANA E PENINA AS DUAS MULHERES DE ELCANA
- Elcana era casado com duas mulheres: Ana, que significa “graciosa, graça, favor” e Penina, que significa “pérola”.

- Segundo a Bíblia, Elcana - pai de Samuel - teve duas esposas: Ana e Penina. A poligamia era comum nos tempos do Antigo Testamento. Pelo o fato de Ana ser estéril, Elcana provavelmente se casou com Penina com o objetivo de ter descendentes. Com isso Penina teve filhos e filhas.

1. Ana era mulher de Elcana da tribo de Levi. Elcana significa “que Deus criou”, ou “que Deus adquiriu”.

2. Ana era a mulher mais amada.
V. 4-5 “E sucedeu que no dia em que Elcana sacrificava, dava ele porções a Penina, sua mulher, e a todos os seus filhos, e a todas as suas filhas. 5 Porém a Ana dava uma parte excelente; porque amava a Ana, embora o SENHOR lhe tivesse cerrado a madre.”

3. Ana é uma mulher encantadora por si só. Algumas mulheres só conseguem ser atraentes se estiverem bem vestidas e maquiadas. Porém, Ana, andava triste e ainda assim estava linda o bastante para ter o amor do seu esposo. O que significa que Ana tinha qualidades que superavam Penina com todos seus filhos juntos. Filho é necessidade naquele tempo, porém as qualidades de Ana superavam isso.

IV. OS PROBLEMAS QUE ANA ENFRENTOU
1. Ana era estéril. V. 2 “E este tinha duas mulheres: o nome de uma era Ana, e o da outra Penina. E Penina tinha filhos, porém Ana não os tinha.”

Ela não podia ter filhos. V. 6b “Porquanto o Senhor lhe havia cerrado a madre”.
- Se a primeira mulher, a amada, fosse estéril, o homem poderia casar-se com uma segunda. - A lei judaica faz menção desses casos em Deuteronômio 21.15. A esterilidade era considerada um castigo de Deus – era desonra para a mulher não ter filhos.
2. Ela era insultada e humilhada por sua rival Penina. V. 6 “E a sua rival excessivamente a provocava, para a irritar; porque o SENHOR lhe tinha cerrado a madre.”

- A Penina irritava Ana, porque tinha filhos enquanto Ana não os tinha.

- Significa que Penina valorizava o “ter” e não o “ser”. E por isso Elcana amava Ana, porque enquanto Penina apenas tinha, Ana era!

- Irritava fazia chacota e zombava porque Ana era estéril.

V. 7 “E assim fazia ele de ano em ano. Sempre que Ana subia à casa do SENHOR, a outra a irritava; por isso chorava, e não comia.”

- Penina era um espinho na vida de Ana.

3. Ela era atribulada de espírito. Vs. 15a “Porém Ana respondeu: Não, senhor meu, eu sou uma mulher atribulada de espírito.”

4. Ela era cheia de ansiedade e vivia aflita. Vs. 16b “Porque da multidão dos meus cuidados e do meu desgosto tenho falado até agora. Ana era uma mulher cheia de problemas como vocês mesmo puderam ver. Mais ela não se entregou, ela lutou e não desistiu do seu sonho.”

V. AS VIRTUDES DE ANA

Ana não murmurava, mas mantinha sua humildade.

1. Ana não exigiu nada do seu marido. Não pediu para ele orar junto com ela. Não exigiu dele fé para crer no milagre. Não exigiu que ele repreendesse Penina, mesmo sabendo que ele o faria porque a amava. Não coloque a culpa na fraqueza do marido ou ausência dele, busque ao Senhor você, o marido é santificado pela esposa. 1ª Co 7.14.

2. Ana não respondia Penina, não retrucou, não ofendeu, mas suportou calada. Não dê lugar ao diabo. Ef 4.27. Não desconte seus problemas nos outros, nem nos inimigos (Rm 12.21).

E toda vez Penina irritava a Ana:
- Ana estava calada diante das irritações de Penina. Sl 46.10 “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra.”

A Penina na tua vida pode ser:
1. Na família. O marido ou esposa.
2. O filho problemático. (na droga, no roubo, etc.)
3. Na saúde. Enfermidades que assolam tua vida.
4. Financeira.

3. Ana era uma mulher de fé. Conforme verso 7, todo ano eles subiam para adorar ao Senhor.

4. Ana serve a Deus de coração.
- Ela não deixava de subir a casa do Senhor no ano seguinte, para adorar ao Senhor.
- Ela vem a casa do Senhor adorar, mesmo que com a inimiga ao seu lado.

- Ana não tinha pressa em sair da casa do Senhor (V. 12). Ana fazia longas orações na casa do Senhor, não tinha pressa de sair da presença de Deus. Estamos vivendo um tempo onde o círculo de oração mais circula do que ora.

5. Ana era fervorosa, agradecida e generosa.

6. Ana fez um voto ao Senhor, prometendo devolver o que mais queria, isso é gratidão e generosidade. Se contentou em apenas gerar o menino, humildade! A resposta de Deus foi imediata. Pois o sacerdote a abençoou, no verso 17.

V. 11 “E fez um voto, dizendo: SENHOR dos Exércitos! Se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres, mas à tua serva deres um filho homem, ao SENHOR o darei todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.

7. Areação de Eli perante a oração de Ana.

Vs. 14-19: “E disse-lhe Eli: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti o teu vinho. 15 Porém Ana respondeu: Não, senhor meu, eu sou uma mulher atribulada de espírito; nem vinho nem bebida forte tenho bebido; porém tenho derramado a minha alma perante o SENHOR. 16 Não tenhas, pois, a tua serva por filha de Belial; porquê da multidão dos meus cuidados e do meu desgosto tenho falado até agora. 17 Então respondeu Eli: Vai em paz; e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste. 18 E disse ela: Ache a tua serva graça aos teus olhos. Assim a mulher foi o seu caminho, e comeu, e o seu semblante já não era triste. 19 E levantaram-se de madrugada, e adoraram perante o SENHOR, e voltaram, e chegaram à sua casa, em Ramá, e Elcana conheceu a Ana sua mulher, e o SENHOR se lembrou dela.”


Enquanto Ana orava com perseverança, Eli, o sacerdote, a observava. Ele havia reparado que Ana só movia os lábios, e não saía de sua boca nenhuma voz audível, concluindo então que ela estava embriagada.

Quando Eli pediu que Ana se apartasse do vinho, ela o respondeu dizendo ser uma mulher angustiada que estava ali derramando sua alma ao Senhor, falando com o coração sobre o seu desgosto. Ana também disse ao sacerdote que não era uma “filha de Belial”, expressão que significava uma pessoa maldosa e sem valor (1º Sm 1.14-16).

Diante disso, Eli a compreendeu e disse: “Vai em paz; e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste” (1º Sm 1.17). Ana então partiu dali, e seu semblante já não era mais triste.

8. Ana era submissa. Ela disse: “Meu Senhor”. Submissa, obediente, temente a Deus. O que significa que não importa o que fazem com você, mas importa muito como você reage (Hb 13.7).

9. Ana creu na palavra do sacerdote; ainda que o sacerdote Eli não era um exemplo, pois ninguém é perfeito.

10. Ela colocou sua fé em ação. V. 18 “E disse ela: Ache a tua serva graça aos teus olhos. Assim a mulher foi o seu caminho, e comeu, e o seu semblante já não era triste.”

A prova é que não ficou mais triste, e ainda se levantou de madrugada junto com seu esposo para adorar ao Senhor.

8. O Senhor é fiel naquilo que promete.
V. 19-20 “E levantaram-se de madrugada, e adoraram perante o SENHOR, e voltaram, e chegaram à sua casa, em Ramá, e Elcana conheceu a Ana sua mulher, e o SENHOR se lembrou dela. 20 E sucedeu que, passado algum tempo, Ana concebeu, e deu à luz um filho, ao qual chamou Samuel; porque, dizia ela, o tenho pedido ao SENHOR.”
Samuel “Deus ouviu”.

- Ela era estéril e após orar ao Deus de Israel, teve sua madre aberta para conceber não apenas um, mas seis filhos.

VI. HARMONIA NA FAMÍLIA
1. Elcana consentiu com o voto de sua esposa.
V. 21-23 "E subiu aquele homem Elcana com toda a sua casa, a oferecer ao SENHOR o sacrifício anual e a cumprir o seu voto. 22 Porém Ana não subiu; mas disse a seu marido: Quando o menino for desmamado, então o levarei, para que apareça perante o SENHOR, e lá fique para sempre. 23 E Elcana, seu marido, lhe disse: Faze o que bem te parecer aos teus olhos; fica até que o desmames; então somente confirme o SENHOR a sua palavra. Assim ficou a mulher, e deu leite a seu filho, até que o desmamou."

- Elcana foi profundamente tocado pela consagração de sua esposa e de todo o coração se uniu a ela em seu desejo.

V. 22 Quando o menino for desmamado. De acordo com 2 Macabeus 7.27, as mães hebreias costumavam desmamar seus filhos aos três anos de idade. Como Samuel ficaria para sempre na presença do Senhor, é provável que Ana tenha prolongado o período de desmamar para uma idade mais avançada, de 4 a 6 anos. Bíblia Shedd.

...e lá fique para sempre. Ana dedicou Samuel ao Senhor. Depois que ele foi desmamado, foi levado ao tabernáculo para servir sob a tutela do sacerdote Eli.

2. Mesmo quando criança, Samuel recebeu sua própria túnica. Então uma vestimenta normalmente reservada a um sacerdote enquanto ele ministrava diante do Senhor na tenda de reunião em Siló. Pois era onde a arca da aliança era mantida (1ª Sm 2.18; 3.3). Tradicionalmente, os filhos do sacerdote sucederiam o ministério de seu pai. Entretanto os filhos de Eli, Hofni e Finéias, eram iníquos porque eram imorais e mostravam desprezo pela oferta do Senhor (1ª Sm 2.17, 22).

3. Depois que Deus lhe concedeu a vitória, Ana cumpriu o voto que fez.
Após receber a benção, ela o levou a casa do Senhor como prometeu. Mas também levou mais uma oferta ao Senhor além do menino. Isso é uma mulher mais do que agradecida a Deus.

Vs. 24-28 "E, havendo-o desmamado, tomou-o consigo, com três bezerros, e um efa de farinha, e um odre de vinho, e levou-o à casa do SENHOR, em Siló, e era o menino ainda muito criança. 25 E degolaram um bezerro, e trouxeram o menino a Eli. 26 E disse ela: Ah, meu senhor, viva a tua alma, meu senhor; eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, para orar ao SENHOR. 27 Por este menino orava eu; e o SENHOR atendeu à minha petição, que eu lhe tinha feito. 28 Por isso também ao SENHOR eu o entreguei, por todos os dias que viver, pois ao SENHOR foi pedido. E adorou ali ao SENHOR.”

Para fazer o que prometera (1.11). Ana desistiu daquilo que ela mais queria – seu filho – e o apresentou a Eli para que servisse na casa do Senhor. Ao dedicar seu único filho a Deus, Ana estava dedicando sua vida e seu futuro inteiros a Deus. Porque a vida de Samuel pertencia a Deus, Ana, na verdade, não estava desistindo dele. Na verdade, ela estava o devolvendo a Deus, que é quem havia concedido Samuel a Ana no começo. Estes versos ilustram o tipo de ofertas devemos dar a Deus. [Life Application Study Bible Kingsway].

Para lá ficar para sempre. “Por isso também ao SENHOR eu o entreguei, por todos os dias que viver...
Ana quis dizer que Samuel seria nazireu durante toda a vida…Um fragmento do livro de 1ª Samuel encontrado na quarta caverna de Khirbet Qumran, publicado em 1954, declara especificamente que Samuel era nazireu. CBASD, vol. 2, p. 483.

V. 27 Por este menino orava eu; e o SENHOR me concedeu a petição que eu Lhe fizera [Pelo que também o trago como devolvido ao Senhor…].
A tradução literal do versículo seria: “A respeito deste menino, eu me interpus, e o Senhor me deu o pedido que pedi a Ele, e também me encontro obrigada ao pedi-lo ao Senhor.” Ana reconhecia com exultação que sua dádiva para Deus fora, antes de tudo, uma dádiva dEle para ela. CBASD, vol. 2, p. 484.

CONCLUSÃO. A família é um projeto de Deus. E quando Deus tem um projeto Ele é fiel em cumprir. Não importa o deserto, barreiras e as dificuldades que você está passando... não importas as Peninas que você tem que enfrentar. Põe tua fé em ação. Não deixe de adorar o Senhor.
O segredo da vitória é adorar aquele que vive e reina para sempre. Amém!

Pr. Elias Ribas

Nenhum comentário:

Postar um comentário