SALMOS - Se Liga na Informação





A nação judaica usa os Salmos tanto como um livro de orações como um livro de cânticos. O nome hebraico para o livro de Salmos é sepher tehillim, que significa “livro de louvores”. Este é um título apropriado, pois refere-se de um livro de cânticos e de orações, profundamente associado ao culto, contendo 150 poemas, destinados ao canto, à devoção pessoal ou usado em ajuntamentos solenes. As versões gregas levam os títulos Psalmoi e Psalterios, de onde tiramos nossos títulos Salmos e Saltério.
Falam da grandeza de Deus, Sua bondade, de Seu poder e de Sua justiça. Muitos dos salmos são preces e súplicas a Deus, alguns contêm bons conselhos, indicando o caminho da verdadeira felicidade através da virtude e do cumprimento dos mandamentos de Deus. Deste modo, eles refletem todos os incidentes que podem ocorrer na vida, tanto ao indivíduo quanto da coletividade.
Os Salmos refletem tanto o caráter histórico como devocional. Muitos acontecimentos da História são apresentados; a criação do homem (8.5), a aliança estabelecida com Abraão e seus descendentes (105.9-11), o sacerdócio de Melquisedeque (110.4), Isaque, Jacó, José, Moisés e Arão (105.9-45), a libertação do Egito e a herança Cananéia (78.13; 105.44). Muitos outros exemplos poderiam ser citados.
Por fim, os salmos retratam a mais intima expressão de dor, angústia, coragem, louvor e confiança em Deus. Eles representam o clamor de corações aflitos em busca do auxílio divino a fim de aliviar o pranto amargo que muitas vezes a vida provoca como bem expressou Myer Pearlman: “nos livros históricos da Bíblia, Deus fala acercado homem; nos livros proféticos, Deus fala ao homem, e nos Salmos, o homem fala a Deus”.1

AUTORES
Os próprios títulos dos salmos em sua maioria indicam sua autoria. Dos 150 Salmos, diversos são anônimos. Dos 116 restantes, 100 indicam o autor e, destes 100, 73 são atribuídos ao rei Davi – poeta e cantor de Israel. Outros autores mencionados são: Moisés (90), Salomão (72, 127), Asafe (50, 73-83), Hemã (88), Etã (89) e os filhos de Coré (42, 44-49, 84, 85, 87). O saltério foi completado na história israelita na época pós-exílio, abrangendo uma variedade de temas, inclusive revelações concernentes a Deus, à criação, à raça humana, ao pecado, ao mal, à justiça, à santidade, à adoração, ao louvor, ao juízo.

TEMA
Louvores a Deus. Os Salmos são cânticos de louvor a Deus como sublime criador, sustentador e redentor. O louvor consiste em reconhecer, apreciar e expressar a grandeza de Deus. Foi organizado em cinco livros, delimitados por uma formula conclusiva, em correspondência com os cinco livros do Pentateuco (I, 1-41; II, 42-72; III, 73-89; IV, 90-106; V, 107-150). Assim sendo, os Salmos refletem o culto, a vida devocional e o sentimento religioso da nação de Israel.

OS TÍTULOS DOS SALMOS
Os títulos são indicadores da natureza literária de cada Salmo. Alguns títulos se referem ao uso litúrgico dos salmos a serem cantados em certas ocasiões. Há títulos descritivos da característica poética.
a) 57 salmos são chamados de Mizmor. Referem-se à música que deve ser cantada acompanhada de instrumentos de cordas.
b) Shir, cântico de qualquer qualidade ou espécie, ocorre 30 vezes (46, 120-134).
c) Mashkil, um cântico de especial qualidade, ocorre em 13 salmos, podendo significar vários tipos de cânticos: meditativos, didáticos (32).
d) Miktam, salmo com idéia de lamentação pessoal (16, 56-60);
e) Shiggayon só ocorre uma vez (7).
f) Tephillah, significa “oração” (17, 86, 90, 102, 142);
g) Tehillah, somente ocorre uma vez (145), significa “louvor”.

TÍTULOS QUE INDICAM A DIREÇÃO MUSICAL
a) Lamnatseach é a palavra que vem ao título de 55 salmos. A Vulgata traduz “in finem”, e a Versão Almeida “para o cantor mor” (IBB), e “ao mestre de canto” (SBB).
b) Neginoth, aparece em 6 títulos, sempre combinado com Lamnatseach. O termo significa “instrumentos de cordas”. Quatro dos títulos em que aparece, vem associado ao termo Mizmor.
c) Al hashsheminith, ocorre duas vezes, nos Salmos 6 e 12, significa “sobre a oitava”.
d) Al ‘alamoth, se encontra no título do Salmo 46, significa “instrumentos de cordas”.

e) Gittith aparece em três títulos, podendo significar “canção de vindima”.
f) Nehiloth, só ocorre no Salmo 5, é traduzido pela Sociedade Bíblica do Brasil “para flautas”.
g) Mahalath, literalmente significa “doença, aflição”, possivelmente, indicava um salmo fúnebre. No título do Salmo 88 aparece como Mahalath Leannnoth, que a Sociedade Bíblica do Brasil traduziu por “para ser cantado com cítara”.
h) Selah esta palavra não aparece nos títulos, mas no fim de algumas seções (Salmo 46.7). Esta palavra chama a atenção por ocorrer 71 vezes no Livro I, 30 vezes no Livro II, 20 no Livro III, e 4 no Livro V.2 É uma indicação musical, não para ser lida, mas significando uma pausa no cântico, para um interlúdio instrumental, ou, uma elevação de som (forte).

ESFERA DE AÇÃO
Entre a época de Moisés (aproximadamente 1440 a.C.) e o cativeiro babilônico (586 a.C.).

ESBOÇO DE SALMOS
Livro I (1 - 41).
a) Cânticos introdutórios (1.1-2.12).
b) Cânticos de Davi (3.1-41.12).
c) Doxologia (41.13).

Livro II (42-72).
a) Cânticos dos filhos de Corá (42.1-49.20).
b) Cânticos de Asafe (50.1-23).
c) Cânticos de Davi (51.1-71.24).
d) Cânticos de Salomão (72.1-17).
e) Doxologia (72.18,19).
f) Versículo de conclusão (72.20).

Livro III (73-89).
a) Cânticos de Asafe (73.1-83.18).
b) Cânticos dos filhos de Corá (84.1-85.13).
c) Cânticos de Davi (86.1-17).
d) Cânticos dos filhos de Corá (87.1-88.18).
e) Cânticos de Etã (89.1-51).
f) Doxologia (89.52).
Livro IV (90-106).
a) Cânticos de Moisés (90.1-17).
b) Cânticos anônimos (91.1-92.15).
c) Cânticos “O Senhor Reina” (93.1-100.5).
d) Cânticos de Davi (101.1-8; 103.1-22).
e) Cânticos anônimos (102.1-28; 104.1-106.47).
f) Doxologia (106.48).
Livro V (107- 150).
a) Cânticos de ação de graças (107.1-43).
b) Cânticos de Davi (108.1-110.7).
c) Hallel Egípcio (111.1-118.29).
d) Cânticos Alfabético sobre a lei (119.1-176).
e) Cânticos dos degraus (120.1-134.3).
f) Cânticos anônimos (135.1-137.9).
g) Cânticos de Davi (138.1-145.21).
h) Cânticos “Louvai ao Senhor” (146.1-149.9).
i) Doxologia (150.1-6).





Bibliografia
1 PEARLMAN, Myer. Salmos – Orando com os Filhos de Israel. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p. 5.
2 ELLISEN, Stanley A. Conheça melhor o Antigo Testamento. São Paulo: Editora Vida, 1999, p. 166.
BETESDA, Faculdade. Curso Fundamental em Teologia. Módulo I, p. 165 – 167.

Nenhum comentário:

Postar um comentário