Discursos de Moisés no Deuteronômio - Se Liga na Informação



Discursos de Moisés no Deuteronômio

Compartilhar isso

Por Jean Seifert
INTRODUÇÃO
Em hebraico o livro de Deuteronômio é chamado de “debarim” que significa “palavras” que provavelmente foi escrito por Moisés no ano de 1405 a.c. e quer fazer uma retomada ao passado tentando fazer uma retrospectiva de toda a história do povo de Deus.
O propósito do livro de Deuteronômio é reeducar, despertar e fazer uma renovação da aliança de Deus ao povo mediado por Moisés para a nova geração enquanto o povo de Israel estava prestes a entrar na terra prometida liderados pelo jovem Josué.
Moisés vai citar as profecias que vão dos dias atuais deles até o retorno do povo de Israel a Palestina. O interessante que o livro de Deuteronômio foi o livro mais citado por Jesus em todo seu ministério e também o livro mais citado e lembrado no Novo Testamento.
Deuteronômio literalmente é o livro dos discursos de Moisés que são divididos em três discursos principais o primeiro o prologo histórico 1:1 a 4:43, o segundo discurso são as condições de 4:44 a 26:19 e o terceiro discurso que são as benção e maldições no capitulo 31:1 a 34:12.
PRIMEIRO DISCURSO CAPÍTULOS 1:11 A 4:43
Logo nos primeiros versículos Moisés já se identifica como autor, ele mostra que foi aquele que mediou a aliança de todo o povo como o próprio Deus. Ele mostra de forma panorâmica com um breve resumo todas as circunstancias que o povo enfrentou antes da sua morte até a travessia do povo de Israel ao rio Jordão.
Deuteronômio registra datas como dia, mês e ano que Moisés falou ao povo de Israel e também registra a morte de seu irmão Arão, mostrando com exatidão todo o cuidado e o zelo que eles tinham com sua própria história ensinado que essa história era passada de pai para filho de geração em geração.
NARRATIVA HISTÓRICA
É lembrado por Moisés a escolha errada podo da primeira geração e o quanto toda essa escolha erra prejudicou e influenciou em toda a estadia do povo de Israel no deserto. Ele relata a rejeição do povo mesmo Moisés dando tantas garantias de vitórias, sucesso que viriam sobre eles, mas mesmo assim o povo rejeitou e desprezou a palavra do Senhor.
O povo faz suas próprias escolhas e Moisés vai explicar para essa nova geração o péssimo exemplo da caminhada da primeira geração. Falando isso Moisés tinha esperança que essa nova geração não iria seguir o mesmo exemplo da primeira geração que não ouviu a Deus e gerou várias implicações ruins a todo o Israel.
APLICAÇÃO PARA NOSSOS DIAS
Existe uma grande importância de se olhar para nosso passado no aspecto histórico pois olhamos e conseguimos refletir de onde viemos e até como podemos chegar até aqui. A importância de se olhar para o passado e reconhecer os erros cometidos na luta para que eles não mais aconteçam em nossas vidas tentando assim retomar ao foco, ao alvo correto.
Olhamos para o passado encontrando aspectos bons lembrando a necessidade de repassar os pontos positivos e relevantes as próximas gerações gerando um elo, um ciclo verdadeiro de ensino, amor, zelo e cuidado sobre nossos familiares fazendo esse ciclo se tornar um ciclo de bênçãos e não de maldições.
SEGUNDO DISCURSO CAPÍTULOS 4:44 A 26:19
Esse segundo discurso é o maior de todo os livros de Deuteronômio, Moisés faz uma retrospectiva de toda a lei variando assuntos falando sobre o sábado, culto ao Senhor, falando sobre os pobres necessitados e as festas e os direitos sobre as propriedades.

Ele faz a repetição da lei que são os dez mandamentos continuando a reforçar a obediência com Deus a sua lei, deixando bem claro a abominação de Deus sobre os ídolos e toda a idolatria. Mostra a importância e dever dos pais ao ensinarem e repassarem a lei do Senhor aos filhos, mostrando a necessidade real de relacionamento com o Deus vivo e verdadeiro.
Deus ordena que o povo de Israel destruísse os cananeus pois tiveram muito tempo para se arrepender, mas não fizeram e agora o nível de pecaminosidade deles já havia passado dos limites aos olhos do Senhor.
Deus mostra a eles que eles não foram escolhidos por serem por serem uma grande nação, mas porque o Deus Todo Poderoso amava cada um deles e que através da vida do povo de Israel todas as outras nações viessem a conhecer o Deus de Israel, o único Deus.
Eles venceriam todos os obstáculos, gigantes e inimigos que se colocassem no seu caminho pois o Senhor Deus estaria o tempo todo com eles e não deixaria que eles perecessem na mão dos infiéis pois o Deus deles era o Senhor dos exércitos.
Essa nova geração, a geração que não viu os sinais nem viu a desobediência de seus pais muito menos como eles pereceram no deserto por causa da sua desobediência, Moisés diz que se eles obedecessem diligentemente e guardassem os mandamentos o Senhor iria prospera-los e abençoa-los pois eles estavam na terra que mana leite e mel.
Um grande lugar é escolhido como local de adoração e festa, onde todo o povo se reunia para adorar e festejar com alegria ao Senhor. Depois ele mostra o castigo aplicado aos falsos profetas e idolatras.
Moisés mostra uma grande lista de animais impuros e como é importante as questões de dízimos e ofertas para que aja mantimento na casa de Deus. No capítulo 14 ele destaca a necessidade e a importância do cuidado com os pobres e necessitados, mostrando que o espírito de cobiça não habita em nossos corações.
A Páscoa, pentecostes e tabernáculo são as festas mais importantes do povo de Israel, e que quando eles se apresentassem ao Senhor não se apresentassem vazios a Ele. Os levitas não teriam direito nenhum a herança e que sua herança seria o Senhor e que o povo de Israel estava proibido de praticar as mesmas praticas que as outras nações pois seriam expulsos da terra.
Quando a questão guerra, todo o povo é orientado a não temer em nada mesmo que o exército a ser guerreado seja muito mais forte pois precisavam lembra que o Senhor é o Senhor da Guerra e que eles precisavam confiar fielmente em Deus.
Mais uma vez nos capitulo 22 Deus ordena que todos os necessitados sejam ajudados, adverte os homens e as mulheres a respeito de suas vestimentas que nenhum nem outra vista a veste do outro mostrando que o Senhor Deus se alegrava com santidade do seu povo.
Deus proíbe a prostituição do seu povo e se alegra com o compromisso entre o casal, manda prestar auxílio e amparo aos fugitivos. Deus não esquece de falar sobre o divórcio, empresários, ladrões e da lepra deixando seus padrões e princípios bem claro a todo o povo de Israel.
Deus ordena que os Israelitas sejam um povo justo em suas em sua maneira de regras a vida e seus bens pois Deus abominava a injustiça e estabelece açoites aos que seriam julgados e condenados.
Finalizando no versículo 26, Deus mostra que todo o povo Israelita deveria ser grato ao Senhor por serem eles todos tirados da escravidão opressiva do Egito e essa gratidão precisava ser demonstrada por ações de graças, alegria, bondade para com o próximo e obediência total a lei, os mandamentos do Senhor.
REFERÊNCIAS:
BÍBLIA SAGRADA NVT, EDITORA MUNDO CRISTÃO, 2016, SP.
BÍBLIA DE JERUSALÉM, EDITORA PAULUS, 2010, SP.
COMENTÁRIO BÍBLICO MOODY, IMPRESSA BATISTA REGULAR, 2001, SP.
PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO, ANDREW HILL E J.H. WALTON, EDITORA VIDA, 2014, SP.
COMENTÁRIO BÍBLICO VIDA NOVA, D. A. CARSON, EDITORA VIDA NOVA, 2009, SP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário