Unidos da Tijuca encerra 1ª noite de desfiles recontando a história do mundo por meio do pão - Se Liga na Informação



Unidos da Tijuca encerra 1ª noite de desfiles recontando a história do mundo por meio do pão

Compartilhar isso

Em busca do penta, escola da Zona Norte distribuiu pães na Sapucaí e trouxe alegorias sobre escravidão, A Última Ceia e o império romano, além de tom mais politizado no final.



A Unidos da Tijuca encerrou a primeira noite do Grupo Especial, na madrugada desta segunda (4), contando a história do pão como alimento físico e espiritual, com um samba-enredo oração. Com 4 mil componentes, a história da humanidade foi contada tendo o pão como fio condutor.


O carro abre-alas tinha esculturas formando A Última Ceia e um enorme "pavão", mascote da escola
O pão também foi tratado como parte importante de vários momentos da história, como a Revolução Francesa e a Revolução Russa
Uma história da Bíblia foi recontada na comissão de frente. Quinze bailarinos simbolizaram a jornada dos hebreus pelo deserto por 40 anos e um milagre de Deus que fez chover pão dos céus para alimentá-los.

Em busca do penta, a escola da Zona Norte apresentou o enredo “Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome” com os integrantes divididos em 35 alas e cinco alegorias.

A ala das baianas representou o trigo, e outras alas mostraram povos que produziram, comercializaram e consumiram o pão, como os egípcios, fenícios, gregos e romanos.

O segundo carro representou a política do "pão e circo", que tem como base diversão e comida para controlar os ânimos da população. Alegorias e fantasias foram dedicadas ao império romano.

Uma ala coreografada mostrou temática política, a do "pau, pão e pano", em referência ao castigo, alimento e vestuário destinados aos negros escravizados no Brasil. O terceiro carro, chamado "Comendo o pão que o diabo amassou", seguiu com a escravidão como tema.

A religião tomou conta da parte final, com as alas de Santo Antônio, Santa Isabel e Nossa Senhora (que distribuíam pães aos pobres) e a ala Ogum (sobre a tradição de oferecer pão ao Orixá).

Os ritmistas da bateria se vestiram de padeiros, e o quarto carro mostrou a multiplicação do pão sagrado.

A partir daí, o desfile tomou um rumo mais politizado. O final teve alas sobre as dificuldades de conseguir o pão, e o último carro fez um "alerta contra a desigualdade social".

Alex Marcelino e Raphaela Caboclo, mestre-sala e porta-bandeira da Unidos da Tijuca — Foto: Rodrigo Gorosito/G1

Comissão de frente da Unidos da Tijuca representa o pão enviado por Deus — Foto: Rodrigo Gorosito/G1

Comissão de frente da Unidos da Tijuca representam o pão enviado por Deus — Foto: Rodrigo Gorosito/G1

Ala Gregos da Unidos da Tijuca — Foto: Rodrigo Gorosito/G1

Terceiro carro da Unidos da Tijuca representa um navio negreiro — Foto: Rodrigo Gorosito/G1

FONTE: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário